Mulheres, Saiam da Bolha “Teológica” Feminina!

Talvez esse texto tivesse um impacto melhor se fosse escrito por uma mulher. Ou talvez alguém achasse que tal mulher estaria exagerando e sendo feminista. Para equilibrar, a opinião a seguir nasceu numa conversa com minha esposa (percepção dela) e estou concordando e expandindo essa conversa para que mais mulheres reflitam nessa ideia. A mensagem é: mulheres, saiam da bolha “teológica” feminina!

Antes de dizer qualquer coisa quero afirmar que acho sensacional o trabalho que as editoras brasileiras tem feito de publicar livros voltados para mulheres. Aqui em casa temos vários sobre feminilidade, vida cristã e ministério de mulheres. Como candidato ao ministério pastoral e crítico ferrenho do feminismo moderno, gosto demais dessas obras e leio junto com minha esposa. Gosto muito das páginas teológicas voltadas para mulheres também.

No meio desse bom contexto surge a tal bolha “teológica” feminina. Uso as aspas porque o problema é exatamente o não ser tão teológica assim. Claro,  o problema não está nas editoras e nas produtoras de conteúdo. A questão é individual de cada mulher e de ministérios femininos. Eu diria que você está na bolha “teológica” feminina se seu consumo bíblico-teológico estiver limitado aos assuntos e conteúdos femininos mais populares. Deixa eu dar um exemplo… Você já percebeu que a maioria dos cultos, retiros e reuniões de mulheres falam sobre submissão ao marido, criação de filhos ou cuidado do lar? Você já percebeu que as perguntas são quase sempre as mesmas: como ser uma boa esposa? Como criar os filhos nos caminhos do senhor? Me responda se você for capaz: Qual foi a última vez que você viu ou foi num culto, retiro ou reunião de mulheres em que o tema foi a exposição de algum livro da Bíblia ou um estudo sobre Trindade, cristologia, doutrina da salvação, eclesiologia ou qualquer grande tópico teológico?

Pois é, muitos ministérios femininos e mulheres tem se fechado numa bolha “teológica” que define a mulher cristã mais pelo que ela faz como esposa e mãe do que pelo que ela crê como filha e serva de Deus. E tenha certeza de que há um grande risco quando definimos nossa identidade cristã por meio de atividades e não da fé que foi entregue aos santos. A vida cristã está alicerçada no “creio” e não no “faço”. Basear nossas vidas naquilo que fazemos é ter como alicerce algo fraco e instável. Mulheres verdadeiramente fortes na fé são aquelas que, antes de tudo, tem uma boa e grande visão teológica sobre o Deus que servem. Todos nós sabemos disso, não sabemos? Mas ainda assim somos tentados a alimentar essa bolha. Um grito para fura-la seria: TEOLOGIA NÃO É COISA SÓ DE HOMEM!

Quero ver minha esposa lendo  boas teologias sistemáticas e os mesmos livros que leio. Quero ve-la lendo bons comentários bíblicos e sendo capaz de discutir teologicamente comigo. Quero a fé dela e das minhas amigas baseadas numa boa e santa visão de Deus e da sua obra de salvação, não apenas em atividades familiares. Essas são consequências da nossa fé e solidez da nossa teologia. Ser uma boa cristã é igual a ser um bom cristão, tudo começa com nosso entendimento de Deus. Se você é mulher e está lendo esse texto, fure essa bolha e ajude outras a perceberem a mesma situação. Continue lendo e ouvindo os ótimos conteúdos voltados exclusivamente para as práticas feminias, mas não deixe sua vida teológica se limitar a isso. Que as igrejas e ministérios femininos possam oferecer banquetes teológicos para as mulheres e não apenas aperitivos práticos do lar. Glorificamos a Deus conhecendo mais quem Ele é!

Ps: meu conselho para você que quer ter um primeiro contato com a boa teologia é comprar uma boa teologia sistemática. Leia juntamente com a bíblia. Esse tipo de livro reúne os grandes temas da teologia de maneira bem organizada e busca aborda-los de maneira bíblica. Eu recomendo a Teologia Sistemática de Wayne Grudem, publicada pela Editora Vida. Ela vale o investimento, mas se você não tem condições de compra-la procure pela sua versão condensada. Chama-se Manual de Doutrinas Cristã. Eu comecei por ela. É mais barata e tem um ótimo conteúdo para edificação de sua vida feminina e teológica!

Por: Pedro Pamplona é casado com Laryssa e formado em administração pela Faculdade 7 de Setembro (Fortaleza/CE), pós-graduado em Estudos Teológicos pelo Centro Presbiteriano Andrew Jumper (São Paulo/SP) e estudante do Sacrae Theologiae Magister (Th.M) em Teologia Sistemática do Instituto Aubrey Clark (Fortaleza/CE). Serve integralmente como líder de jovens na Igreja Batista Filadélfia, em Fortaleza.

Texto original de Dois dedos de Teologia: http://doisdedosdeteologia.com.br