Comprometidos em amar

Por que, ao longo dos anos, a aquarela do casamento vai perdendo a cor?

“(…) o que importa é que cada um de vós ame a sua mulher como a si mesmo, e a mulher respeite o seu marido.” (Efésios 5.33)

O dia do casamento é um dos mais especiais de nossas vidas.

Para o noivo: ansiedade em constituir uma nova família, dali em diante ele será o cabeça do seu lar, o responsável por ser o mantenedor de sua casa.

Para a noiva: quantas emoções circundam o seu coração! Ela já pensou (em alguns casos) em tudo. Organizou e preparou cada detalhe, com muito amor e carinho, que irão compor o seu novo lar. Ela carrega em si muitos sonhos e planos para a família que se inicia ali.

Esse acontecimento é de fato maravilhoso por sua essência. Uma aliança com um brilho imensurável representa essa bela união. Entretanto, uma pergunta que paira na mente de muitos é: por que ao longo dos anos, todo esse brilho se ofusca, ou a aquarela de sentimentos profundos vai perdendo a sua cor?

Um dos quesitos que precisa ser seguido é o dever dos cônjuges em amar um ao outro. Mas “dever”? Parece uma palavra tão fria. Todavia, ao consultar o dicionário Michaelis versão virtual, verifica-se que um dos significados para esse verbo é: “Ter algum compromisso moral de dar-se, consagrar-se, aplicar-se (a alguém ou a algum mister)”.

E nesse contexto, “aplicar-se” ao casamento parece ser o mais interessante. Significa dizer que amar o cônjuge vai muito além de um “dever”, amar o cônjuge está diretamente ligado ao “compromisso de dar-se” a essa pessoa.

Uma comparação muito disseminada na sociedade diz que “deve-se cuidar do casamento como se cuida de uma flor”.

Pensemos por um momento na delicadeza e fragilidade de uma flor. Voltemos ao nosso casamento, ele requer muitos cuidados, empenho, dedicação; e, tudo isso, se resume nessa belíssima palavra denominada “amor”.

Esse amor conjugal está atrelado a aspectos essenciais para uma relação saudável, a qual cria raízes profundas com o tempo, tais como: respeito, companheirismo, cuidado, carinho, apoio e assim por diante.

Em seu casamento, pense na palavra “dever”, a partir desse exemplo que foi relatado acima. Lembre-se que Jesus deve ser o centro do seu compromisso conjugal. Ele é quem pode solidificar as bases do casamento com amor, afinal Ele é Amor! Confie o seu matrimônio a Cristo e você verá as bênçãos de Deus derramadas sobre o seu lar.

 

Dsa. Ludymilla Fogassi, Sofap em Uberlândia, Resofap Mineira