Viva o Salmo 23

Compreender e continuar crescendo em compreensão são as atitudes que nos farão experimentar as riquezas contidas nesse texto

 

Entre os memorizados, figura nos primeiros lugares. Sobre ele mensagens e mais mensagens já foram e serão proclamadas. Em relação a adesivos de carro e traseira de caminhão, também usufrui de boa preferência. Inspirou livros, poesias, músicas e textos, como este, que é só mais um em meio a milhares. Isso mesmo, estou falando do famoso Salmo 23.

Mais que famoso, é um texto poderoso. Quantos já não tiveram a esperança renovada depois de ouvi-lo? O medo espantado, o coração acalmado, as lágrimas controladas, a alegria refeita e a alma fortalecida? Quantos? Impossível contar. Certo é que o Salmo 23, na coletânea primorosa dos Salmos, tem sido um texto consolador e renovador ao mesmo tempo. Muito além que simples e bela gramática, se constitui numa herança de palavras que se combinam como ouro para as necessidades e anseios do coração humano.

Penso que a admiração e o êxtase por tão empolgante texto, carregado de infindáveis e profundos significados, precisam atingir o ponto da transformação. Admiração e êxtase são bons, mas não bastam. Admiração e êxtase precisam funcionar como potentes impulsionadores que nos levem à ação. Compreender e continuar crescendo em compreensão é o que nos fará experimentar as riquezas contidas no Salmo 23. Se fizermos uma leitura realista e humilde logo no primeiro verso, todo o restante deste poema hebraico cresce em possibilidades de prática nas nossas rotinas. Esta é a transformação necessária, pois faz a passiva admiração apresentar-se ativa nas ações da vida.

Viva o Salmo 23. A tradução da Bíblia Viva poderá nos ajudar. Logo no primeiro verso, a tradução que tornou o salmo famoso: “O Senhor é o meu pastor e nada me faltará”, cede lugar para a tradução muito mais coerente com a verdade inegável que o povo de Deus também sofre, perde, adoece, cai, chora, fica sem resposta e se desespera. Na Bíblia Viva, o Salmo 23 começa assim: “O Senhor é o meu Pastor. Ele me dá tudo de que eu preciso!”

Percebeu a sutil diferença? Se a sua resposta é não, deixa eu te ajudar. Enquanto na primeira tradução “nada me faltará”, na segunda “Ele me dá tudo que eu preciso”. Ou seja, quando compro sem questionar, a afirmação que nada me faltará, nada, absolutamente nada poderá faltar, senão eu estou fora das bênçãos prometidas na afirmação do Salmo.

Por outro lado, quando afirmo que “Ele me dá tudo de que eu preciso”, estou sendo muito mais submisso à soberania e à vontade de Deus em minha vida. Tudo que preciso é bem diferente de tudo o que eu quero, exijo, determino, ordeno ou, ainda, é bem diferente do que simplesmente um tudo aleatório. Quando afirmo que Ele dá o que eu preciso posso descansar, porque nem mesmo eu sei tudo de que preciso. Ele, no entanto, sabe.

Nossa segurança nesse tipo de leitura esta na parte igual da tradução. Ambas iniciam com a mesma declaração: “O Senhor é o meu pastor”. Ora, se de fato creio no pastoreio perfeito do Senhor sobre a minha vida, posso ficar tranquilo quanto a livramentos, necessidades, direções, providências, proteções e justiças na minha nada fácil caminhada.

A vida real é bem diferente dos adesivos que se encerram com frases de vitórias sempre positivas. A vida real enfrenta vales da sombra da morte e, mesmo que morra, não se esqueça, haverá o terceiro dia da ressurreição. Sabe de uma coisa? Pegue sua Bíblia agora e leia o Salmo 23. Com calma, saboreie o texto, enxergue-se nele, admire cada pontuação e palavra. Então viva, viva e viva.

Pr. Edmilson Mendes congrega na IAP em Pq. Itália (Campinas, SP) e atua no Departamento Ministerial – Convenção Geral e Convenção Paulista.

Fonte: Portal IAP