UMA MULHER BONDOSA

Ela era notável pelas boas obras e esmolas que fazia. (At 9:36)

Dorcas ou Tabita significa “gazela”, pequeno antílope, gracioso e ligeiro, que tem os olhos expressivos. Este era o nome de uma mulher judia, que após se converter ao cristianismo, foi chamada de discípula, pela sua maneira autêntica e singular de servir a Cristo. Moradora de Jope, cidade costeira, por muitas vezes, viu, com tristeza, vários maridos e pais saírem para pescar em alto mar, em busca do sustento para suas famílias, e não retornarem, por terem sido subjugados por águas perigosas ou tempestades imprevistas. Estes deixavam suas famílias desamparadas à mercê da própria sorte. Benevolente e generosa, ela ajudava as vítimas dos dissabores da vida, entre elas muitas mulheres e crianças, que se tornavam, respectivamente, viúvas e órfãos. Ela não era insensível aos infortúnios alheios, pelo contrário, de forma caridosa, oferecia o alívio para aqueles que precisavam de auxílio, através do seu trabalho, feito com suas mãos habilidosas. Agindo assim, atendia ao chamado de Deus para sua vida, pois socorria, com presteza e alegria, aos necessitados, fornecendo roupas por ela costuradas. Pelos seus atos humildes e de grande caridade, se tornou uma mulher muito querida no meio da sua igreja, estando sempre pronta a colocar em ação a sua fé, para atender, com amor, ao próximo.

Agindo dessa forma, Dorcas angariou, como recompensa, o amor e o respeito das pessoas com as quais convivia. Isto ficou evidente quando, depois de contrair uma grave enfermidade e vindo a falecer (At 9:37), os irmãos não se conformaram, a ponto de buscar um milagre de Deus, pelas mãos do apóstolo Pedro. Este, quando chegou da cidade de Lida, encontrou os irmãos chorando e mostrando, através das roupas feitas por Dorcas, o quanto ela era importante para eles. Sabemos o final da história. O poder de Jesus Cristo a fez viver novamente, para alegria daqueles irmãos, principalmente das viúvas, diz a palavra de Deus, e, também, para servir de testemunho, para a conversão de muitos (At 9:39-41).

Nós mulheres, agraciadas por Deus, que temos o evangelho vivo em nossos corações, não podemos ficar indiferentes aos apelos dos mais necessitados. Devemos aprender, no exemplo de Dorcas, a prática da bondade, que faz parte do fruto do espírito (Gl 5:22), e abraçar esta causa, dando-nos a oportunidade de sermos revestidas de tal caridade e benevolência. Como Dorcas, devemos expressar o amor de Cristo ao próximo, através de nossas atitudes (Tt 3:14).