Sem comparações

Os filhos são diferentes entre si e essas diferenças devem ser respeitadas

Pode-se afirmar que, em razão de pesquisa feita pela Universidade de Utah nos Estados Unidos, a convivência entre irmãos promove generosidade e gentileza, além de influenciar para a realização de boas ações entre si e para com os outros, e pode também servir de proteção contra sentimentos como a solidão, culpa e medo.

Sabemos que se essa convivência for mantida na afetividade, os irmãos podem compartilhar suas experiências, auxiliando-os uns aos outros em seu cotidiano.

Dessa forma, quando a relação entre irmãos é bem conduzida, um sempre vai poder contar com o outro, estabelecendo assim uma relação de amor, confiança e aceitação.

O papel dos pais na boa educação dos filhos é de suma importância para que se sintam seguros e confiantes desde a infância até a fase adulta. Os pais precisam ser presentes e participantes da vida dos filhos e procurarem dar bons exemplos a fim de que seus filhos sejam adultos felizes.

A convivência entre irmãos de um lar cristão está pautada na união de amor e afeto entre eles, pois precisam saber que não há competição pela atenção dos pais e os pais precisam saber que as comparações devem ser evitadas, pois os filhos são diferentes uns dos outros e essas diferenças devem ser respeitadas.

Nelci Maria Braz, secretária da Resofap ABC