“Se você tiver fé, ore! Só um milagre…”

Um bebê de apenas dois meses teve suspeita de cãncer no pulmão, porém, a mãe clamou a Deus e o desfecho foi surpreendente

Deus sempre me abençoou, mas uma benção especial aconteceu quando meu filho tinha apenas 2 meses de vida.

Quando Guilherme completou essa idade, foi acometido de uma enfermidade da qual os médicos não sabiam o diagnóstico; esta enfermidade impossibilitou meu filho de respirar, seus pulmões não estavam funcionando. Ao fazer um RX de tórax, apareceu uma mancha enorme entre os pulmões que uma das pediatras afirmou ser um “ câncer “; porém esse diagnóstico nunca foi fechado.

A cada dia que se passava o meu filho piorava. Exames e mais exames, suas veias já não suportavam mais as medicações injetadas. Eu não podia amamenta-lo, pois ele estava continuamente em uma tenda de oxigênio e quando eu pegava no colo para amamentar, sua respiração ficava ofegante e logo seu rostinho ficava cianótico..

Um dia, ele piorou tanto que correram com ele para UTI. O médico veio até mim e disse-me:

“Olha, agora não tem mais o que você fazer aqui, ele irá ficar na UTI e se você tiver fé, ore! Só um milagre…”

Sai daquele hospital transtornada, esse dia foi em um sábado. Cheguei em casa e me coloquei de joelhos no chão do meu quarto. Ali fiquei clamando ao Senhor por quatro horas! Mas o meu pedido era que o Senhor fizesse o que fosse a vontade dele, não a minha. Chorei muito e, ao final da minha oração, não sentia mais os meus joelhos. Meus olhos já não abriam por estarem muito inchados de chorar, então pude contemplar a cena mais linda que já vi em toda minha vida! Vi um homem entrar na UTI, seus passos eram lentos, o chão brilhava muito, e esse brilho refletia no rosto desse homem. Ele vestia –se de uma túnica branca com mangas longas, aproximou-se do berço do meu filho, estendeu a mão direita sobre ele e com uma voz firme e suave disse:

“ Seu filho está curado “. Eram 19 horas e naquele momento uma alegria imensa invadiu meu coração, levantei-me e agradeci muito ao senhor! Corri para casa de minha mãe para contar a grande benção, mas ela não acreditou devido o meu estado de fraqueza e tristeza pelo sofrimento dos últimos dias, pensou que eu estava delirando.

Naquela noite, depois de uma semana, foi a única que consegui dormir em paz.

No dia seguinte (domingo) fui ao hospital para ver meu filho, e diferente dos outros dias, aquele dia fui feliz! Muito feliz, porque tinha a certeza da cura do Guilherme através do nosso Senhor Jesus Cristo! Meus pais foram junto e, chegando lá, quando abriram as cortinas da UTI, o Guilherme não estava lá, seu berço estava vazio. A enfermeira disse-me que, no dia anterior, eles desligaram os aparelhos e sem saber a causa, meu filho começou a respirar sem aparelhos e que subitamente, ele havia melhorado, teve alta da UTI e estava me aguardando para levá-lo para casa.

Hoje meu filho tem 19 anos, lindo, saudável, e ministra no grupo de louvor ao Senhor! Mesmo que eu viva por toda eternidade, jamais conseguiria descrever o quanto sou grata ao Senhor da minha vida!

Gilmara Breda congrega na IAP em Indaiatuba (SP).