Oração: um jardim na vida cristã

A SEMENTE: E, saindo, foi, como de costume, para o monte das Oliveiras; e os discípulos o acompanharam. (Lucas 22.39).

CONHECENDO O TERRENO: Da saída do Jardim do Éden, para a promessa em Israel do “broto” de Jessé,  passando pelo Seu nascimento em Belém, com Maria e José, e chegando em seu ministério. Jesus, que veio para nos salvar do pecado, nos ensinou a orar para nosso Pai. Temos Nele a possibilidade de sermos religados a Deus, assim, nossa conexão é restabelecida, e voltamos a estar na presença dele. E a oração configura-se como uma espécie de “jardim” na vida cristã, cujo cultivo deve ser estimada como uma das grandes prioridades da existência espiritual.

Aliás, se teve alguém que “cultivou” esse “jardim”, foi Jesus. Quando no Drama pré-Paixão, Nosso Senhor esteve no jardim do Getsêmane orando. Lucas diz: E, saindo, foi, como de costume, para o monte das Oliveiras; e os discípulos o acompanharam. (Lucas 22.39). Segundo dicionaristas, a palavra costume em grego é ethos, trazendo a ideia de hábito, prática constante, lei!  Aliás, por várias vezes neste capítulo do evangelho de Lucas, é falado sobre o assunto. Encontramos neste trecho da Escritura várias expressões referentes a orar: Orai (v.40, 46), orava (v.41, 44), oração (v.45).

Mesmo sendo Filho de Deus, em Sua Humanidade, o Senhor foi alguém dedicado à arte de orar: Durante a sua vida aqui na terra, Cristo, em voz alta e com lágrimas, fez orações e súplicas a Deus, que o podia salvar da morte. E as suas orações foram atendidas porque ele era dedicado a Deus. (Hebreus 5.7 NTLH) Oração tem a ver com obediência (v.8). Oração tem haver com um profundo conhecimento da Palavra, orar a partir da Bíblia, nos estimula a termos cada vez mais certeza de como devemos falar com Deus e o que lhe pedir. Que esse “jardim” chamado oração, seja cultivado como fez Nosso Senhor!

 

  1. Medite no significado da palavra “costume” em relação a Jesus, em Lucas 22.39.
  2. Com tantas referências a oração em Lc 22: Orai (v.40, 46), orava (v.41, 44), oração (v.45); e, na vida de Jesus (Hebreus 5.7-8), reflita sobre a importância de cultivar esse “jardim”.

 

CULTIVANDO A VIDA: Se Jesus, Filho de Deus se submeteu, enquanto encarnado, à oração, quanto mais nós, seu Corpo (Igreja), não devemos imitá-lo com relação ao cultivo deste “jardim”? A oração é um desafio e deve ser parte de nosso cotidiano de vida. Para se manter um jardim belo e com uma vitalidade incrível, é necessário não apenas trazer sementes e ver suas flores e frutas nascerem, aliás, para isso acontecer é preciso adubá-las, cultivá-las e cuidá-las.

A oração como um “jardim na vida cristã” precisa ser cultivada. Não podemos compactuar com aquilo que traz “ervas daninhas” para esta prática, impedindo que nossas orações sejam ouvidas. Pecados como: caminhos contrários à Palavra de Deus (2 Crônicas 7.14); desobediência a Lei de Deus (Provérbios 28:9); egoísmo (Tg 4.3) e outros podem interferir no cultivo desse “jardim” em nossa vida. Portanto, que possamos cultivar uma vida de oração, incentivados pelo conhecimento da Bíblia e abandonando o que não agrada a Deus.

 

  1. Compartilhe com alguém sobre o desafio de manter uma vida de oração cotidiana.
  2. Você tem cultivado o “jardim” (a oração) em sua vida, ou as “ervas daninhas” (pecado) têm tomado conta dela?

 

Por: Miss. Andrei Sampaio

Nenhum comentário

Comentários estão desativados