O “sim” de Maria

Dizer que aceita a vontade do Senhor significa ter compromisso com Ele

  

Maria foi a mãe de Jesus, ela era uma mulher descrita por Deus como “agraciada”. A palavra “agraciada” vem do grego, e significa “muita graça”.  Graça é “FAVOR IMERECIDO”, e significa algo que recebemos apesar de não merecemos. Maria foi uma mulher simples do povo e sensível às necessidades dos pobres. Segundo a tradição, os pais de Maria se chamavam Joaquim e Ana, viviam em Nazaré, um povoado sem renome na região norte chamado Galiléia. A Bíblia diz que Maria estava prometida para ser esposa de um carpinteiro justo e honrado que se chamava José, e talvez tivesse emigrado da Judéia. Maria e José pertenciam ao povo humilde, de modo que quando seus conterrâneos viam que Jesus falava tão bem, se admiram: “Mas não é este o filho do carpinteiro e de Maria?” (Mc 6.2).

Uma decisão sábia

O anjo disse para Maria: “você foi ESCOLHIDA”. Diante da exposição angelical, imagino que ficou assustada, e não era pra menos. Como pode uma jovem virgem ter um filho sem conhecer o varão “pai de seu futuro filho?” Porém com o relato do anjo, Maria aceitou o desafio, e que desafio!. Ela poderia ser humilhada, e até condenada à morte por apedrejamento.

O anjo do Senhor deu mais uma noticia que alegrou o coração de Maria. Ele disse: “sua parenta, Isabel, vai ser mãe também”. E então, Maria se apressou a caminhar para a cidade de Judá, onde moravam Zacarias e Isabel. Sensível às necessidades dos outros, ao saber da gravidez de Isabel já de seis meses, Maria foi dar assistência a ela.

Maria recebeu de Deus um favor especial na concepção e no nascimento de Jesus. Ao chegar Maria entoou o hino de ação de graças denominado “A Magnífica” (Lc 1.46-55). Estas mulheres viram o poder e a graça de Deus que, pelo intermédio delas, iria realizar as antigas promessas feitas a Israel, e trazer a salvação ao mundo.

Maria ficou na casa de Isabel durante seis meses, e ao voltar, contou para José todo o ocorrido, mas parece que José não deu muito crédito, porque ele pensou em deixá-la secretamente (Mt 1. 18-21). Porém, Deus disse a José que não a deixasse, porque que ela estava gerando algo do Espírito Santo. (Mt 1.24,25).

José obedeceu e a recebeu por mulher, e não a conheceu enquanto ela não deu à luz ao seu primogênito, que lhe pôs por nome Jesus (Mt 1.24,25). Cheia do Espírito Santo, Maria entregou-se “de corpo e alma” ao projeto de Deus, que é a salvação da humanidade. Ela foi apenas um vaso nas mãos de Deus para execução do Projeto Divino!

Bendito sim! Pelo casamento, ela ficou protegida e não mais suspeita. Um decreto de César ordenou que todos se alistassem, e José foi à cidade de Davi, junto com Maria, para esse evento.

E você, minha irmã, tem dito “sim” para Deus? Saiba que o seu “sim” exige sacrifício. Você está disposta a se sacrificar por Jesus? Você está disposta a pagar o preço, seja ele qual for? Nas comunidades locais sempre estão precisando da sua benevolência ao trabalho de Deus, seja na Escola Bíblica, seja na secretaria da igreja, seja na Diretoria da Sofap, Umap, Rumap, Resofap, Fesofap, ou em seus Departamentos. Como tem sido a sua reação quando alguém dirigido por Deus chega até você para lhe pedir que ocupe um cargo no trabalho do Senhor?

Maria foi envolvida pelo Altíssimo, e você, também foi envolvida por Deus? Maria foi escolhida para ser um vaso nas mãos de Deus. Você também foi! Maria sabia do perigo e do sofrimento, mas não temeu nem mesmo a morte e disse “sim” a Deus. Assim como Maria, você precisa não apenas ser escolhida, mas dizer sim a Deus, estar à disposição dele, para ser envolvida pelo Espírito do Senhor.

Lembre-se, minha querida, na igreja de Deus tem muito trabalho pra você. Mais um lembrete: “É depois da luta é que vem a vitória”. Depois de todo pesadelo que Maria sofreu, Jesus nasceu. Aleluia! Jesus nasceu numa estrebaria porque a dificuldade financeira era muito grande. Ela o deitou em uma manjedoura (Luc 2.7). É triste mas Jesus foi recusado, desprezado, rejeitado pelo povo antes do seu nascimento, ninguém lhe deu abrigo, ou abriu a porta para ele, até Herodes procurou matá-lo. Somente quando os reis levaram Ouro, Mirra e Incenso é que José se abasteceu monetariamente (isso foi uma providência de Deus), pois quando a perseguição veio tenazmente, José já tinha condições de fugir para o Egito e ficar ali até Herodes morrer.

A verdade é que todos tinham algo para fazer, como hoje todos correndo atrás de passeios, negócios, menos compromisso com Deus. Se o povo soubesse que, no ventre de Maria, estava o príncipe da paz, o Deus forte, o salvador do mundo, o maior psicanalista e conselheiro do mundo, teriam o recebido.  Se Jesus tivesse chegado vestido com suas roupas reais ostentando o seu estilo celeste, certamente os homens teriam preparado uma recepção especial com músicas, fogos e a pompa de um grande estadista para ele, mas Jesus veio pobre para os pobres.

E se Maria tivesse dito “não”, ela seria bem aventurada entre as mulheres? O “sim” proferido em Nazaré foi confirmado, ratificado, repetido muitas vezes. Das bodas em Caná até a noite do Cenáculo. Do calvário ao Pentecostes, aquela história foi resultado do “sim” de Maria. Qual é o resultado do seu “sim” a Deus,  minha irmã? Maria tomou parte nos movimentos solenes da história do cristianismo, e você tomou parte da igreja que foi fundada pelo Espírito Santo? Como é a sua história?

E se você disser não para Deus, significa que não quer compromisso com ele, e Deus só tem compromisso com quem tem compromisso com ele. Valeu a pena o “sim” de Maria. Ela ouviu o relato dos pastores sobre a visão do anjo dizendo: “na cidade de Davi nasceu hoje o Salvador do mundo.” Ela foi o canal de bênção e você? Com o “sim” de Maria Deus realizou o seu projeto no mundo. Com o seu “sim” a Deus o evangelho será pregado a muitos que não conhecem as boas novas.

 

Pr. Sinhosinho Tavares da Silva congrega na IAP em Itaim Paulista (São Paulo, SP).