Não esqueça o principal

Escolhendo a melhor parte

No meio da correria do cotidiano, no trabalhar para dividir o peso dos custos da casa, no cuidar da casa, dos filhos, do marido, dos pais, do ministério na igreja, no manter-se linda, bem informada, eficiente, nesse furacão que nos convenceram que deve ser a vida de mulher moderna bem-sucedida… onde ficamos como indivíduos, como únicas, como vasos frágeis? Aliás, ser vaso frágil (seja qual for o sentido dado a este termo) é quase uma ofensa, uma negação das conquistas históricas das mulheres…

Uma mulher retratada na Bíblia é parecida com essa mulher moderna, capaz, trabalhadeira, inteligente, hábil. Essa mulher é Marta, de Betânia. Em uma das visitas que Jesus fez à sua casa, ela ficou tão feliz que fez de tudo para que Ele se sentisse bem. E se ocupou bastante, ao ponto de se perder nas tarefas domésticas, enquanto Maria, sua irmã mais nova ficou aos pés do Mestre, ouvindo o que Ele tinha a dizer e desfrutando de Sua presença.

Marta, a dona da casa aproxima-se do Mestre e cobra uma atitude com relação à sua irmã mais nova, “Não se importa que minha irmã não me ajude com o serviço? Manda ela me ajudar!”. A resposta de Jesus, o Amoroso Jesus, não poderia ser mais desconcertante: “Marta, você está ocupada com tanta coisa, mas Maria escolheu a melhor parte, e essa nunca poderá ser tirada dela”. Pode parecer injusto com Marta quanto à divisão dos serviços da casa. Pode parecer estranho que o hóspede não se sinta honrado com a trabalheira que a devotada anfitriã estava tendo por conta de seu bem-estar. Pode parecer qualquer coisa aos olhos das workaholics¹ de plantão. Mas é uma bela de uma resposta sobre prioridades, qualidade das nossas escolhas e qualidade do nosso relacionamento com Ele mesmo.

Essa resposta nos indica que há um padrão de vida biológica, emocional e espiritualmente sustentável. Muitas vezes ligamos a vida no piloto automático das obrigações e deveres, nos esquecendo de nos alimentarmos espiritualmente e de nos permitirmos o devido descanso. Isso nos tem esmagado e adoecido. Para sair desse círculo vicioso primeiro é preciso reconhecê-lo. Em seguida fazer uma franca análise de nossas vidas, revendo prioridades, reorganizando-as, tendo coragem de abrir mão do excesso de atividades e daquilo que é dever de outras pessoas. A seguir devemos colocar nosso relacionamento com o Senhor como prioridade máxima, nos disciplinando a tirar tempo para estar todos os dias aos Seus pés, desfrutando de Sua presença, criando intimidade com Ele, fazendo como Maria, escolhendo a melhor parte, que não será tirada de nós.

1 Pessoa que é viciada em trabalho; quem tem obsessão pelo trabalho ou trabalha compulsivamente. Fonte: https://www.dicio.com.br/workaholic/, pesquisado em 02/05/2018 às 05:46

Por: Adriana Narciso Simão Reis casada com Anderson da Silva Reis. Guarda Municipal na cidade de Dourados/MS, desde 1996. Graduada em Ciências Biológicas e da Saúde. Membro da Igreja Adventista da Promessa no Jardim Maracanã, em Dourados/MS