Mulher promessista: aquela que proclama o Salvador

Um nó na garganta, as mãos enfraquecidas, o choro não contido, lágrimas regam o doce olhar de uma mulher em busca do corpo de seu Salvador. O que aconteceu? Onde ele está?

Anjos tentam em vão consolá-la. Uma voz rompe o silêncio: Mulher, por que choras? Quem buscas?

Raboni!!!

Jesus vive, aleluia, Ele não está morto!

Jesus falou comigo! Ele me ama! Ele se importa comigo!

Jesus também te ama! Sim, é verdade! Ele te ama! Jesus Cristo se importa com você!

Mulheres têm chorado a ausência do Salvador, se prostrado ante o túmulo vazio, sem esperança, sem fé, sem ânimo. Não há consolo, nem paz, o coração partido, as chagas consomem os anos, olhos desconfiados.

Maria tinha seguido Jesus em seu ministério, ouvido a sua palavra, presenciado os milagres, recebido o perdão, e diante da ausência do corpo, chorou!

Como uma flecha acerta o alvo, a voz de Jesus atingiu o coração de Maria, cuja tristeza se converteu em alegria. A luz rasgou a escuridão e ela reconheceu seu Mestre. Ele ressuscitou, a sepultura não pode contê-lo, o inferno foi vencido, e o plano de Deus para a humanidade, restabelecido.

Maria se apressou em anunciar que o Redentor Ressurgiu.

Como um oficial que leva as declarações de paz, a mensageira proclama as boas novas.

Cristo vive, sim, sabemos que Ele vive. Todavia Cristo precisa ressurgir dentro da alma, no profundo da intimidade, renascer na ausência de paz e esperança, reviver nas emoções e na razão, vencer a incredulidade, desconfiança e desânimo.

Prostrar-se ante a lápide com gratidão, pois Cristo vive em nós. Ele ressurgiu nos relacionamentos familiares, na comunhão dos santos, na restauração dos casamentos, no estilo de vida, no amadurecimento dos filhos, nas relações de trabalho, no ensino da palavra, nas orações diárias, na motivação das atitudes, no caminho dos justos.

Adverte Paulo: pregue, proclame, anuncie, alce a voz, seja no momento propício ou incomode com a palavra da verdade.

Muitos recusarão a novidade, levantarão dúvidas, negarão a palavra, mas enquanto houver vida, não se permita desistir, mas persista e cumpra o seu ministério.

(João 20: 11-18 e II Timóteo 4:1-5)

Por: Dsa. Manuela Fava e Souza Rozanez

Fonte: Sou da Promessa