Leia Mais: O exercício da entrega

 

Um culto “vivo, santo e agradável” a Deus deve ser praticado todos os dias!

 Alan Rocha e Andrei Sampaio Soares

Atualmente, ouvimos muito se falar sobre a importância dos exercícios físicos para a saúde. Basta ir ao médico e logo vem a recomendação. Eles são, de fato, fundamentais. De modo semelhante, se quisermos ter saúde espiritual, precisamos praticar exercícios espirituais sempre, como a oração, a leitura devocional da Bíblia, o jejum e outros. Hoje, vamos refletir a respeito do exercício da entrega. Foi recomendado pelo Médico dos médicos, Jesus, mas mesmo assim, às vezes não o praticamos. 

Entendendo o exercício

Um dia fomos pecadores perdidos. Sem Deus, sem paz e sem esperança no mundo (Ef 2.12). Porém, Deus, por seu amor, nos encontrou novamente e nos ofereceu a possibilidade de salvação em Jesus Cristo (Jo 3.16; At 4.12). Foi então que, convencidos pelo Espírito (Jo 16.7-8), escolhemos nos “entregar” a Jesus. Essa foi a “Entrega das entregas”. Daí por diante, todas as nossas decisões são pautadas – ou devem ser – na vontade de nosso Senhor e Salvador Jesus Cristo.

Em Romanos 12.1, somos convocados a continuar nos entregando a Deus, diante de sua graça incomparável. Paulo diz: “Rogo-vos, pois, irmãos, pelas misericórdias de Deus, que apresenteis o vosso corpo por sacrifício vivo, santo e agradável a Deus, que é o vosso culto racional.” Neste texto, percebemos como deve ser a vida daqueles que foram salvos pelo Salvador: uma vida de entrega, que cultue a Deus.

Mais que um momento, o culto para o salvo passa a ser a integralidade de sua vida (I 1 Co 10.31). Por isso, o apóstolo Paulo, nos orienta a entregar nosso corpo. Ele deve ser a oferta no “altar de Deus”. A orientação é que ele seja um sacrifício: vivo, santo e agradável. A palavra “vivo” diz respeito à totalidade de nossa entrega; “santo” quer dizer que nossa vida deve obedecer à Palavra de Deus 1; tudo isso é “agradável” ao Senhor, se oferecermos nossos corpos não para o pecado, mas para a vontade santa de Deus 2.

Em vez de rituais, Deus quer um culto espiritual ( 1 Pe 2.5). Em vez de touro, bodes e ovelhas, o nosso próprio corpo, a nossa vida. Salvos pelo Filho de Deus, agora, por meio dele, temos condições de oferecer um culto aceitável ao Pai. É com essas qualidades que Deus espera que nos ofereçamos em sua presença.

Como diz John Stott, sobre estas três expressões, esse culto: “Não é para ser prestado nas cortes do templo ou no edifício da igreja [apenas], mas sim na vida do lar e no mercado de trabalho.”3 O texto de Romanos 12.1 é expressado exatamente assim na paráfrase da Bíblia “A Mensagem”: “Portanto, com a ajuda de Deus, quero que vocês façam o seguinte: entreguem a vida cotidiana de vocês – dormir, comer, trabalhar, passear – a Deus, como se fosse uma oferta. Receber o que Deus fez por vocês é o melhor que podem fazer por ele”.

Para que isso ocorra, precisamos de uma constante lembrança de que sempre estamos cultuando a Deus. É disso que trata o exercício espiritual da entrega. Ele consiste em, diariamente, apresentar diante de Deus nossa vida de maneira que lhe agrade, que santifique seu nome por meio de nossos pensamentos, palavras e ações.

Praticando o exercício 

O pastor brasileiro Enéas Tognini conta  uma experiência grandiosa com Deus. Ele disse que Deus pediu-lhe tudo e ele entregou: bens, posições, sonhos. Mais aí o Senhor lhe surpreendeu, dizendo que faltava ainda entregar uma coisa. Pr. Enéas perguntou: “O que, Senhor?” “A biblioteca!”. Após o episódio, o pastor se desfez de sua biblioteca, onde estudava, tornando-se um dos maiores líderes cristãos do Brasil.4 A história dele parece ser um exagero, mas isso lhe revelou onde estava seu coração. E nós, o que precisamos entregar a Jesus? O que devemos abrir mão ou desfazer, que possa nos impedir de entregar nossa vida de maneira integral ao Senhor? Tal reflexão precisa ser constante e esse exercício espiritual de entrega a Deus tem que ser praticado todos os dias.

O que fazer?

 Verifique em sua vida quais projetos podem estar lhe afastando do Senhor;

  1. Verifique se você tem dado prioridade mais às coisas supérfluas do que às necessárias;
  2. Peça, em oração, para o Senhor lhe mostrar as áreas de sua vida que você ainda não dedicou totalmente a ele;
  3. Apresente diariamente a Deus essas áreas. O Espírito Santo vai moldar sua vida e assim, em oração, entregue sua vida ao Senhor!

Oração

“Senhor, quero minha vida oferecer. Meus desejos lhe ceder. Nos teus caminhos andar. Tua vontade fazer. Ser totalmente teu.”  

Pr. Alan Rocha congrega na IAP em Pq. Edu Chaves (São Paulo, SP) e é diretor do Departamento de Educação Cristã da IAP. Ms. Andrei Sampaio Soares congrega na IAP em Vila Medeiros (São Paulo, SP) e é colaborador do DEC.

Publicado originalmente na revista O Clarim – edição 65. Compre a nova edição de O Clarim em: http://vozdocenaculo.com.br/loja/revistas/revista-o-clarim-edicao-68/

Nenhum comentário

Comentários estão desativados