Bem aventuradas – Seja  uma  promotora  da  paz

Sempre que pensamos em um pacificador nos vem à mente alguém fazendo cessar um conflito, um embate, seja uma briga entre irmãos, uma discussão que começa a se acalorar por alguma divergência de opinião, ou até mesmo mudando o rumo de uma maledicência, ou uma murmuração, queixa sem propósito.

Mas será que é exatamente isso que caracteriza um pacificador?

Paz não é apenas a ausência de conflito.

O exercício da promoção da paz não é algo que nos leva a experimentar a ausência de ânimos alterados, é algo muito mais profundo e significante.

Essa é uma qualidade que só tem quem já passou e continua passando diariamente pela cruz. Quem já foi agraciado pela remoção da causa de todos os males que afetam nossa vida, em especial, nossos relacionamentos interpessoais, o pecado.

Vivemos em contínua batalha, “não contra a carne e o sangue, mas contra […] os exércitos espirituais da maldade nas regiões celestiais” (Ef 6: 12)

É possível, neste mundo com “nervos à flor da pele”, estarmos em paz com todos? Em paz com alguém, inclusive, que está em guerra contra nós?

A resposta é SIM. É possível, porque na vida daqueles que fazem guerra contra nós, a paz é ausente, mas pode e deve não ser ausente em nossa vida, seja a circunstância que for.

Promover a paz significa escolher com todas as forças e entendimento permanecer ao lado de Cristo.

“E a paz de Deus, que ultrapassa todo o entendimento, guardará os vossos corações e os vossos pensamentos em Cristo Jesus.” (Fp 4: 7)

Só quem se deixa alcançar pela graça divina e não se afasta da Palavra de Deus, aprecia e busca a paz consigo mesmo, com os outros e com Deus, a única fonte dela. Isso significa fazer a paz acontecer.

É tempo de fazermos a diferença – mas como?

Em época de tanta escassez de tempo para pensar, refletir antes de falar, de responder, de agir…

Como observou o terapeuta Ofér Zur sobre a Tecnologia: “Ela torna tudo tão prático, que toma todo o nosso tempo livre.”

É preciso buscar forças e entendimento n’Aquele que é o maior interessado em que façamos, hoje, a diferença.

Só há um caminho, e ele nos leva em direção a nós mesmas:

“Simplificar significa focar em quem você é em termos físicos, emocionais e espirituais […] se você quiser escolher alegria diária, esse é o lugar para começar.” 1

Deus nos deu uma missão que pode fazer essa diferença no mundo. A mais linda, quando se trata de fazer discípulos: ensinar a Palavra de Deus aos nossos filhos. Há um tempo para isso – a infância. Quanto mais cedo experimentarem a graça divina, entregarem suas “vidazinhas” a Cristo, mais cedo se tornarão “promovedores da paz”, produzirão esse que é o fruto mais desejado por todo ser humano, e serão chamados filhinhos de Deus – “pacificadores”

Que Deus nos ajude a diligenciar, a promover a paz, começando em nós mesmas, como a letra do hino – “Haja paz da terra” (HBJ-247)

 

Marta Olívia de Oliveira Santos, casada com pastor José Vital dos Santos Neto, mãe do Yuri, congrega na IAP Brás Cubas, Mogi das Cruzes, formada em Aconselhamento Familiar

 

  1. WARREN, Kay – Escolha a Alegria – Porque a felicidade não é suficiente. Trad. Daniel Faria – Ed. Mundo Cristão, 2014