O desafio da escolha profissional

A escolha profissional é o marco da transição da adolescência para o início de uma vida adulta. Escolher significa abrir mão e assumir responsabilidades, e é por isso que esse processo se torna tão conflituoso para alguns jovens. Fazer a opção por uma vocação é complexo, pois está permeado por uma série de pressões internas e externas.

As pressões internas estão relacionadas aos seus próprios sentimentos, como o medo do fracasso, a falta de autoconhecimento, as cobranças em relação ao seu desempenho, o medo de se arrepender, a dualidade dinheiro versus satisfação pessoal, o desejo de corresponder às expectativas da sua família e o sentimento de desamparo, uma vez que essa decisão é exclusiva do adolescente e o responsabiliza pelos resultados. As pressões externas se referem ao pouco conhecimento do mercado de trabalho, a dificuldade do vestibular e as inúmeras possibilidades de carreira.

Para que essa escolha seja assertiva e sem prejuízos emocionais é necessário que essas pressões sejam aliviadas, sendo assim faz-se essencial atentar-se para alguns fatores que a envolvem:

  • Autoconhecimento: é importante que o adolescente conheça suas habilidades e preferências, pois elas indicam seus valores, um caminho de realização pessoal e protege sua decisão de influências externas.
  • Diferenciar sonhos, objetivos e metas: o adolescente precisa transformar seu sonho em objetivo e o dividir em pequenas metas a serem cumpridas diariamente, para que ele se sinta mais seguro em relação aos resultados que pretende alcançar, seja em uma entrevista ou no vestibular. Por exemplo: Se ele sonha em ser médico precisa definir seu objetivo: Qual universidade? Quantos concorrentes? Como é a prova? Quanto ele já sabe e quanto mais precisa saber? E a partir dessas respostas criar para si metas: Quanto estudar? Em que dias? Quais horários? Que matérias? Assim ele estará preparado e seguro para os desafios que essa escolha apresenta.
  • Aliviar sua autoexigência: apesar de ser uma decisão extremamente importante para o jovem, errar na escolha não é o fim do mundo, é necessário flexibilizar a exigência, pois onde o erro é permitido arriscar não é temido. Errar na escolha não significa perder tempo, não existe tempo perdido, a todo segundo da vida estamos evoluindo e crescendo como pessoas e compreender isso alivia o peso da decisão.
  • Conhecer sua missão: a escolha profissional é um processo existencial e espiritual, envolve missão de vida, o porquê você nasceu e existe. O trabalho apesar de ser um meio de providência financeira é em primeiro lugar um veículo para realização pessoal, que só se dá através das observâncias espirituais e existenciais. Fazer contato com seu lado espiritual trará clareza e tranquilidade para a escolha do adolescente.

Escolher uma profissão vai além de decidir o que fazer, é decidir quem ser e como viver, por isso é conflituoso. Como uma ferramenta para que a escolha seja realizada com mais calma, tranquilidade e maturidade, a psicologia faz o uso da Orientação Profissional ou Vocacional, um processo pontual que tem por objetivo acompanhar o jovem no momento da escolha, auxiliando-o a compreender sua situação específica de vida, preferências, habilidades, valores e missão, para que essa etapa tão importante seja experimentada de forma satisfatória e realizadora

Por: Michelle de Souza, Psicopedagoga, Especialista em saúde mental, Psicóloga clínica de adultos e Adolescentes, Orientadora Educacional e Profissional e Psicóloga no Instituto Bom Aluno de Londrina.