Relacionamento

“Cada um considere os outros superiores a si mesmos”.
Fil.2:3b

É impossível vivermos sós; precisamos uns dos outros. Primeiramente precisamos de Deus. Dependemos inteiramente da graça e bondade de Deus, que é grande sobre nós. Os filhos dependem dos pais, o marido depende da esposa, a esposa depende do marido; sempre dependemos de alguém. Não existe ninguém autossuficiente.

Um líder precisa de seus liderados, cada qual cumprindo sua tarefa, para que haja êxito em seu trabalho. Todo trabalho feito em grupo precisa haver unidade. O grupo precisa conversar, planejar, chegar a um acordo. Todos concordando é preciso que haja motivação e muita união. Nunca falar mal um do outro, pelo contrário, sempre defender, pensando que defeitos todos temos. Nunca deixar de lado alguém pelo fato de ser diferente na idade, na cultura, etc. Devemos ver o lado do outro, nos colocarmos no lugar dele, imaginar que a dificuldade em realizar algum trabalho pode ser maior. Não podemos ter preconceito de nenhuma espécie.

Devemos lembrar da mulher samaritana (João 4:1-30), rejeitada pelos judeus, porém amada e lembrada por Jesus. Jesus valorizou e continua valorizando as pessoas. Quem rotula e discrimina somos nós. “Nada façais por contenda ou vanglória, mas por humildade, cada um considere os outros superiores a si mesmos”. Fil.2:3

Quando todos fazem a sua parte, mesmo numa tarefa difícil, o objetivo é alcançado quando há união. Como está o nosso relacionamento na Igreja? Estamos criticando, pisando em alguém ou estamos lembrando de levar o nosso irmão, a nossa irmã em oração a Deus?

O líder para se impor não precisa ser autoritário. Ele deve mostrar o caminho a seguir e ajudar aqueles que porventura não estejam conseguindo, sem atrito, sem reclamação e sem recriminação. Deve incentivar o grupo para que não perca o ânimo.

Os liderados devem ver o líder como uma pessoa comum, falível e normal. Hoje ocupa um cargo que possivelmente passará a outro no término da gestão. Ninguém é dono de cargo algum. O que vemos é que poucos estão dispostos a assumirem responsabilidades.

De uma forma geral, devemos agir com nosso companheiro sempre com respeito, considerando a situação como se estivesse no lugar dele. Jesus sempre respeitou. A mulher adúltera (João 8-1-11), por mais errada que estivesse, Ele não a puniu, porém, disse que não pecasse mais. Num grupo pode acontecer erros. Não vamos jogar pedras, vamos agir como Jesus, perdoando, dando amor e ensinando.

Desta forma, unidos com um só propósito, seremos vitoriosos em nosso trabalho, em nossa missão que é abrir portas para outras pessoas conhecerem a salvação.

“Pois eu estou bem certo disto: Deus, que começou esse bom trabalho na vida de vocês, vai continuá-lo até que ele seja terminado no dia de Cristo Jesus”. Fil1:6

Meire Barbosa Corrêa