Encontros reais – ao vivo e em cores

Vivemos dias nos quais o computador tem papel mais importante do que qualquer outra coisa ou pessoa. Muitos conseguem ficar sem ler a Bíblia durante semanas e até meses, mas não ficam sem o computador por uma hora. As pessoas dão preferência por conversar com amigos e até com a família pelo computador, deixando de lado a preciosidade e riqueza do “olho no olho”.

Não se pode negar os benefícios da tecnologia, da comunicação, da informática. Todos nós nos beneficiamos de tudo isso, no entanto, precisamos ter a sensibilidade de perceber quando estamos nos tornando virtuais demais.

Congregar pela internet, orar pela internet, fazer oração pela internet, são atitudes possíveis, mas devem ser feitas somente quando estivermos impossibilitados de ir a igreja pessoalmente. Não troque o pessoal pelo virtual sempre que possível.

Se você tem filhos, cuide do tempo em que eles passam em frente ao computador – reflita com eles sobre os perigos dos excessos e do mau uso.

Internet é como o dinheiro – ela deve trabalhar ao nosso favor e sob nosso comando e não o contrário.

Valorize os encontros com os amigos, o chá da tarde, o almoço com os irmãos, os passeios de domingo e até o uso do telefone, ao invés do e-mail.

Que Deus nos dê a graça de sermos temperantes no uso do computador.

 Genilda Murta é enfermeira, jornalista e congrega na Igreja em São Caetano do Sul SP