Consumismo infantil, cuide disso!

Podemos afirmar, com pouca chance de errar, que o consumismo se tornou uma das características mais marcantes da sociedade moderna. Ele afeta pessoas de todas as idades, classes sociais e religiões, causando impacto não só na forma como as pessoas vivem e se relacionam como também na saúde e nas emoções delas.

As crianças, por estarem em processo de desenvolvimento, terem pouco discernimento e viverem superconectadas, são as maiores vítimas da indústria do consumo.  Por isso quando se trata de consumismo infantil, geralmente a maior responsabilidade é atribuída à influência do mundo digital e da propaganda. No entanto, não podemos ignorar que o consumismo é um hábito, e portanto recebe grande influência de nosso primeiro ambiente de aprendizagem, a família. A forma como reagimos e somos afetados por influências externas passa inevitavelmente pelo filtro de nossos valores, por aquilo que aprendemos e acreditamos.  Por isso, não basta eleger um vilão, é preciso intervir na base do consumismo infantil.

As pessoas consomem porque precisam e também porque gostam. Até aí, tudo certo! O problema é que consumir também é poder: poder de ser incluído em determinado grupo, poder de influenciar, poder de ter mais do que os outros, poder de disfarçar seus problemas, poder de dizer “eu posso”. A forma como os pais lidam com este poder tem grande impacto nos hábitos de consumo de seus filhos.

Se a criança cresce num ambiente onde os pais ostentam suas conquistas materiais nas redes sociais e escolhem seus amigos com base no padrão de vida deles, aprende a supervalorizar as coisas materiais. Da mesma forma, quando fazem da ida ao shopping o programa mais comum da família estão levando-as a associar a felicidade ao consumo. Há também pais que em vez de dedicar tempo com atividades que envolvam criatividade e interação, prefere deixar  seus filhos à mercê de brinquedos tecnológicos, sendo bombardeados por propagandas, merchandising e vendedores disfarçados de youtubers mirins. Por outro lado, muitas vezes alimentam o consumismo nos filhos, quando os presenteiam a toda hora, para compensar seus próprios desejos frustrados de consumo, ou ainda gastam mais do que podem com eles, sob o pretexto de não vê-los excluídos de um grupo.

Realmente é difícil resistir aos apelos consumistas dos filhos, mas muitos pais acabam se tornando reféns e também autores do problema. Embora cheios de boas intenções, cometem erros que trazem consequências para toda a vida de seus filhos, que não aprendem a esperar e ouvir “não”, lidar com a frustração e as cobranças sociais, habilidades necessárias para o desenvolvimento de uma pessoa saudável e apta para lidar com as demandas da vida. Além disso os tornam mais vulneráveis a distúrbios emocionais como crises de ansiedade e depressão.

É claro que fiscalizar, orientar e reduzir o tempo das crianças diante das telas é bom e necessário. Porém, se não queremos criar filhos consumistas, que baseiam suas relações em trocas materiais, precisamos ensinar e demonstrar com nosso exemplo que, embora ter coisas e usufruir delas seja uma dádiva, a felicidade reside no contentamento com as pequenas coisas do dia a dia.

 

Por: ROMI CAMPOS SCHNEIDER DE AQUINO Psicóloga, Líder do Ministério de Mulheres da Região Sul. Casada com Luciano, mãe de Henrique e Davi, congrega na Igreja Adventista da Promessa de São José dos Pinhais, Paraná.

 

Referências:

http://www.ebc.com.br/infantil/para-pais/2016/07/nove-dicas-para-evitar-o-consumismo-infantil. visitado em 12/4/2019

http://www.psicologia.pt/artigos/textos/A0879.pdf. visitado em 12/4/2019

http://psicopedagogiacuritiba.com.br/consumismo-infantil-causas-consequencias-e-prevencao/.visitado em 14/4/2019

WWW.anpad.org.br/admin/pdf/enapad2003-mkt-0846-pdf, visitado em 14/4/2019

Os impactos da influência da mídia no consumismo infatil, Daiane Pereira de Souza. Publicado em www. psicologia.pt ISSN 1646-6977, em 14/6/2015.

Bases Sociais das Emoções do Consumidor – Uma Abordagem Complementar sobre Emoções e Consumo. Eduardo André Teixeira Ayrosa, João Felipe Rammelt Sauerbronn, Denise Franca Barros, publicado em biblioteca digital.fgv.br>paginicial>v.7.n 1 (2009)