Leia Mais: Vestindo-se com equilíbrio

A santidade requer o bom senso de homens e mulheres que seguem a Cristo

“Quem está ´fazendo´ a sua cabeça?” Essa foi uma das perguntas mais proferida nos últimos anos, nos encontros com a moçada, Brasil afora e fora dele, a fim de refletirmos sobre o que é ser e como deve agir a igreja de Cristo frente a uma sociedade literalmente abocanhada pelo secularismo voraz e aniquilador do nosso tempo. Penso que a ideia dessa mesma pergunta pode lançar luz à nossa reflexão: “Quem está ´fazendo´ a sua cabeça no quesito vestuário?”

Não é segredo para ninguém que a “mídia e Cia” tem se especializado em ditar um padrão diametralmente oposto ao padrão bíblico e, infelizmente, muitos cristãos têm aceitado e participado passivamente desse “mundo fashion” secularizado. O que fazer diante dessa realidade? Consultar a Bíblia! Esse tema foi tratado pelo apóstolo Paulo, quando o mesmo escreveu a sua primeira carta ao jovem pastor Timóteo, responsável pela igreja de Cristo plantada em Éfeso: “Da mesma sorte que as mulheres, em traje descente, se ataviem com modéstia e bom senso”(I Tm 2.9).

A cidade era badaladíssima pela riqueza e pelo comércio exuberantes! Como centro comercial da época, exercia fortíssima influência no setor de vestuários, inclusive. Como pessoa conectada com as Escrituras, penso que você já deve estar imaginando o tamanho das batalhas travadas pelos pastores da igreja contra as gigantescas ondas secularizantes que ali se formavam. Imagine as corridas constantes e frenéticas que faziam os irmãos e as irmãs aos “shoppings” da época com o propósito de se banharem fartamente nas novidades “efesianas”, vestindo-se as roupas caras e sensuais que apareciam estação após estação do ano!

O comentarista bíblico Warren W. Wiersbe contribui dizendo “que algumas mulheres competiam entre si por atenção e popularidade”. A cidade refletia ostentação, luxo e vaidade. É nesse contexto que Paulo trata do assunto, visando à santificação do corpo de Cristo. Veja o significado de “modéstia”, segundo William Hendriksen: “um senso de vergonha, de respeito aos limites da conveniência”.

Quem se veste com modéstia se importa com a moral, porta-se diante dos seus semelhantes com pudor e respeito. Evita ao máximo provocar reações e comentários negativos a seu respeito.

Falar de modéstia não é referir-se apenas ao exterior, ao material, ao tecido e modelo ou tamanho e comprimento dos vestuários, a questão envolve também a honra da mulher e do homem de Deus! Os pastores da igreja de Éfeso tinham a missão de combater a ostentação, a sensualidade, a indecência, a imoralidade, a descompostura, a falta de moderação, a falta de equilíbrio e de domínio próprio no modo de se vestir e de se portar e estimular a igreja à busca da simplicidade e despretensão! Observe o comentário de Warren W. Wiersbe: “Os trajes de uma mulher devem ser decentes, bem arrumados e de bom gosto. A modéstia indica que ela evita os exageros. A mulher modesta tem vergonha de ultrapassar os limites do que é decente e apropriado”.

Apelos da mídia e dos gurus

As filhas e os filhos de Deus não devem ceder às pressões das tendências mundanas, não devem entrar na forma dos modelos sensuais e provocativos, pelo contrário, devem resistir aos apelos da mídia e dos gurus da moda, visando à santidade do corpo de Cristo.

Vamos à expressão “bom senso”: ela carrega em si a ideia de “bom discernimento”, moderação, autocontrole, decência. A mulher e o homem que se vestem com bom senso dão provas de que não são servos da matéria ou dos seus próprios desejos e paixões, porém, buscam viver o princípio do auto-domínio. Jeff Pollard, em seu livro “Deus, o Estilista”, cita um comentário de J. N. D. Kelly sobre as palavras modéstia e bom senso: “A primeira (modéstia), utilizada tão somente neste versículo em todo o Novo Testamento, tem a conotação de recato feminino em questões de sexo. A segunda expressão (bom senso)… afirma basicamente a ideia de perfeito autosenhorio nos apetites sexuais… Aplicada à mulher, também possui uma nuança especificamente sexual”. Voltando à pergunta inicial: “Quem está fazendo a sua cabeça no quesito roupa? O evangelho ou as tendências da moda do século XXI?”

A despeito de sua idade, se você está na fase da adolescência ou já passou por ela, se ainda está buscando formar o par perfeito ou está celebrando tal conquista, a Palavra diz que temos um modo peculiar de nos vestir. Nosso estilo de vida é diferente. Ao comprar uma roupa, sonde as reais intenções do seu coração. Um estilo de roupa pode honrar o nome de Deus ou exalar sensualidade, pode expressar humildade, pureza de alma e equilíbrio ou chamar a atenção para os desejos e paixões sexuais alojados no coração.

Qual o seu estilo? Antes de responder, lembre-se: “Vocês foram comprados por alto preço. Portanto, glorifiquem a Deus com o seu próprio corpo”. Que assim seja.

Pr. João Leonardo Junior, Revista O Clarim, edição 60 – pág. 58-60

Nenhum comentário

Comentários estão desativados