A igreja e a inclusão social

Libras

“Esses eu trarei ao meu santo monte e lhes darei alegria em minha casa de oração. Seus holocaustos e demais sacrifícios serão aceitos em meu altar; pois a minha casa será chamada casa de oração para todos os povos” Isaias 56:7. (NVI)

Você tem algum parente ou amigo com deficiência? Você já convidou alguém que é portador de uma deficiência física para vir a sua igreja? Ele aceitou o se convite? E como foi que ele chegou até lá?

Eu li o relato de um pastor que tinha um amigo que se conhecia há quase 20 anos, com uma deficiência física que o impedia de andar, certo dia o convidou para ir a um culto no templo, a princípio o amigo aceitou o convite, mas logo a seguir perguntou: Na sua igreja há banheiros adaptados para minha realidade? O pastor teve que dizer que não! E ficou muito envergonhado.

Depois dessa experiência é que o Pastor chegou a triste conclusão de que nós cristãos temos sido displicentes e desumanos quando se trata de acessibilidade. A estatística do IBGE apresenta um total de 26.500.000 (vinte e seis milhões e quinhentos mil) brasileiros com algum tipo de deficiência ou limitação funcional e grande parte precisa ser alcançada com a mensagem da salvação. Pessoas que usam cadeira de rodas que precisam ser carregadas para entrar em nossas igrejas. Surdos que dependem da LIBRAS (língua brasileira de sinais) para entender o evangelho.

O que as pessoas com necessidades especiais menos querem é que tenhamos pena delas, não querem e não aceitam serem tratadas de coitadinhas pela sociedade, pois há muito tempo essa ideia já foi abolida. O que elas querem de fato, e tem todo direito, é que haja possibilidade de sua inclusão em nosso meio através de esforços mínimos de nossa parte. Elas só querem dignidade!

Temos o prazer de convidar as pessoas para virem às nossas igrejas, mas nem sempre nos preparamos para recebê-las. Convidar significa oferecer condições para todos, para que participem de nossas atividades com autonomia, dignidade e equidade de condições. As pessoas com deficiências também são cidadãs, com direito e deveres, podem além de ajudá-las a exercer seus direito dar-lhes a oportunidade de serem salvas em Cristo.

O alvará de funcionamento para o templo só é concedido se estiver de acordo com as normas, ou seja, oferecer acessibilidade a todas as pessoas. É preciso padronizar as calçadas, eliminando os obstáculos, nivelamento de acordo com a legislação, adaptando nossos banheiros e lixeiras as necessidades especiais das pessoas portadoras de deficiência física. Precisamos construir rampas adequadas para o acesso direto aos templos (com 45° de inclinação), e isso tudo ainda é muito pouco se comparado ao valor que todo ser humano tem para Deus.

Adaptar os templos para recebê-las com dignidade não é favor nenhum, é apenas o cumprimento da legislação vigente em nosso país sobre acessibilidade. Nosso lema maior é propagar o amor de Deus, que não faz acepção de pessoas. A igreja de Cristo deve ser uma facilitadora, uma agência de salvação.

Independente do que a legislação nos obriga a Igreja tem acima de tudo a Bíblia, Palavra de Deus que muito nos ensina sobre a inclusão.

Por: Berenice

Nenhum comentário

Comentários estão desativados