A vingança nunca é plena!

A lei da Vingança: “Justiça” com as próprias mãos?

Que atire a primeira pedra quem nunca sofreu uma ofensa inesperada. Diga lá, quem nunca se sentiu traído? Momento difícil é esse em que aquela pessoa importante pra nós, acima de qualquer suspeita, nos fere… Nossa, e como dói! E quanto mais próxima da gente, pior é. Seja o esposo, os filhos, a amiga querida, o colega de trabalho, ou um irmão da igreja… A realidade é que não estamos preparados para isso, e é nesse instante, que afloram sentimentos, de um “eu” que nem nós mesmos conhecemos.

A palavra de ordem: “JUSTIÇA”. E a frase preferida é: “Isso não é justo. Eu não mereço passar por essa situação”, com a sede de fazer a tal da nossa “justiça”, planejamos a vingança. Uma birra, uma ofensa retribuída, a indiferença. São inúmeras formas de reações, atitudes e níveis. Mas todas elas podem ser classificadas em um só nome: VINGANÇA. Quando nossa natureza humana grita alto dizendo: “Você vai deixar te magoarem desse jeito?” Nosso senso de justiça entra no modo automático e, na maioria das vezes, fazemos algo muito pior do que a ofensa original.

Mas será que essas ações são realmente justas? A palavra de Deus é clara ao dizer: “Ora, todos nós estamos na mesma condição do impuro! Todos os nossos atos de justiça se tornaram como trapos de imundícia.” Isaías 64:6

A realidade é que somos suscetíveis a falhas, e assim como somos machucamos, fazemos a Deus. Somente Ele é sempre justo, e por isso, os nossos insultos também não poderiam ficar impunes. Deus é amor, mas também é justiça. Esta é a razão pela qual Jesus morreu por nós. Nossos pecados precisavam ser pagos, e Jesus o fez.

Por isso, fica a dica: quando for magoada não se preocupe. Nada há de passar sem julgamento diante do Pai, podemos ser perdoados dos nossos pecados, mas sofreremos as consequências deles. Portanto, permita que o Eterno defenda suas causas. E lembre-se: Não cabe a você o papel de juiz: “Amados, nunca procurem vingar-se, mas deixem com Deus a ira, pois está escrito: “Minha é a vingança; eu retribuirei”, diz o Senhor. Ao contrário: “Se o seu inimigo tiver fome, dê-lhe de comer; se tiver sede, dê-lhe de beber. Fazendo isso, você amontoará brasas vivas sobre a cabeça dele. Não se deixem vencer pelo mal, mas vençam o mal com o bem.” Romanos 12:19-21

E para nós, cabe a reflexão: Jesus retribuiu as ofensas com amor, e as feridas com perdão. Somos capazes de fazer o mesmo?

Por: Gabriela Guiselini, jornalista, casada com Sadraque Siqueira, congregam na Igreja Adventista da Promessa em Taboão – Guarulhos/SP.