Não se subestime

“Assim, aquele que julga estar firme, cuide-se para que não caia! ” – 1 Co 10.12 NVI

Ajustando o foco

Temos monstros externos como o “mundo” que são valores que destoam da vontade de Deus e o Diabo, querendo nos devorar. Mas, o pior deles é o nosso interior, a nossa natureza caída. A lei do pecado que confronta a lei de Deus. Aonde estivermos haverá sempre um campo de batalha.

Que bom !!!

É muito bom estarmos em pé espiritualmente. Afinal tivemos um encontro com Jesus. Sentimos atraídos e abraçados pelo amor eterno. Recebemos pela fé a graça que como a si própria se revela, é sempre sem merecimento, e que invadiu todo o nosso ser. Lavados no sangue de Jesus podemos adorar e fazer dos nossos encontros com Ele os melhores momentos da nossa vida. Livres para servir, amar e sorrir. Paz, alegria, segurança e esperança, são companheiras de fé na viagem rumo à Cidade Santa. Esta é a situação de quem está de pé, mas…

Perigo! Perigo!

É bom saber que quem te amou, buscou, salvou e te sustentou até aqui foi o Senhor. Por isso Paulo alerta: “Aquele que JULGA estar firme” – grifo nosso. Na versão a Mensagem, Peterson traduziu “Nada de confiar em vocês”. Perigo maior não é quando nos sentimos fracos, pois quando estamos assim, procuramos nos refugiar em nosso Salvador. Perigo mesmo é quando achamos que somos inatingíveis pelo mal. Somos expert´s na fabricação de ídolos e o mais importante deles chama-se “ego”. É fácil localizar quem está praticando a “egolatria”:

  • Ninguém me convida para nada;
  • Convite coletivo não aceito, só se for pessoal;
  • Não tenho cargo nesta igreja, nem consagrado sou;
  • Todos os cultos têm indiretas para mim, melhor ficar em casa;
  • Vou procurar outro lugar onde me sinta valorizado, eu tenho esse direito;
  • Eu mereço ser feliz;
  • Esse pessoal tem memória curta, não lembram o que já fiz;
  • Quem está comigo sempre brilha;
  • Você viu o que fizeram comigo?
  • Ah, se não fosse eu!
  • Quando oro o mal passa a quilômetros de mim…

Que horror!

Por favor “não caia”. Quando alguém cai perde todo o senso de responsabilidade para com Deus. E lembre-se que a queda:

  • Torna-se pior do que quando conheceu o evangelho – Lc 11.24-26;
  • É como o cão que voltou ao vômito e a porca lavada que voltou para a lama – 2 Pe 2.22.
  • Entristece o Espírito Santo – Ef 4.30;
  • Perde a alegria da salvação – Sl 51.12;
  • É rebeldia, e rebeldia é como o pecado de feitiçaria – 1 Sm 15.23;
  • Em caso grave de apostasia, é crucificar novamente a Jesus – Hb 6.4-6.

 Quero voltar ao início de tudo!

Se caiu, ou esfriou o primeiro amor, a pergunta talvez seja: Como voltar ou experimentar novamente a vida vitoriosa com Cristo? A resposta é simples: Bíblia na mão, joelhos no chão e ousadia.

A Bíblia confronta os nossos ídolos que muitas vezes estão camuflados –  Hb 4.12. É a voz de Deus – Sl 29. Uma lâmpada que vence as trevas do pecado – Sl 119.105. Um martelo que despedaça a rocha da incredulidade que petrifica o nosso coração – Jr 23.29.

Joelhos no chão para confessar as nossas limitações e pecados para com o Senhor, pois ainda é nosso bondoso Advogado – I Jo 1.9; 2.1 e 2.  Volte a olhar para Jesus. Não tire os olhos da cruz e do túmulo vazio de Cristo. O Senhor deve ser a sua fortaleza, o seu “lugar forte” – Sl 18.1 e 2.

E muitas vezes, a vida espiritual não é resolvida se não restaurarmos a nossa comunhão com uma ou mais pessoas. A reparação é saúde para o Corpo de Cristo. E para isso é preciso ousadia. Não dá para ignorarmos este fator se quisermos desfrutar de tudo que Jesus nos oferece: “Se, porém, andamos na luz, como ele está na luz, temos comunhão uns com os outros, e o sangue de Jesus, seu Filho, nos purifica de todo pecado. ” – 1 Jo 1.7 – Grifo nosso – NVI. A purificação do pecado, muitas vezes, vem após restabelecermos a comunhão com os outros.

Não se subestime, permaneça espiritualmente em pé, com temor e tremor, assim dirás como Davi “Tu me farás conhecer a vereda da vida, a alegria plena da tua presença, eterno prazer à tua direita. ” – Sl 16.11 – NVI.

N’Ele em quem está depositada toda a nossa felicidade,

Por: Elias Alves Ferreira casado com Marilsa Ferreira, pai de Eliel e Marilis, avô do Benjamim, pastor e integrante do Ministério de Vida Pastoral da igreja Adventista da Promessa.