Como não louvá-lo, Senhor! Tu és especial

Salmo 116:16,17

O Salmo 116, texto usado como referência para esta devocional, é um poema anônimo. Ele faz parte do grupo chamado de Hallel (Sal 113 a 118) e que eram entoados nas celebrações pascais em Israel. Era lido depois da refeição, imediatamente após a terceira taça de vinho.

Foi uma clara demonstração de gratidão por vários benefícios oferecidos pelo Senhor ao salmista. Vejamos:

  1. Pelas repetidas respostas as suas orações, vv. 1-2
  2. Pelo livramento da morte, vv. 3-8
  3. Pelo livramento do abatimento emocional, vv. 6-8
  4. Pela capacitação para superar as tentações, v. 8

Diante destas obras extraordinárias feitas na vida do salmista, ele mesmo faz uma pergunta: “…o que darei eu ao Senhor por todos os benefícios que me tem feito? ” As respostas vêm a seguir:

  1. Tomarei o cálice da salvação, v. 13
  2. Invocarei o nome do Senhor, v. 13
  3. Pagarei os meus votos de forma pública, v. 14

A exemplo do salmista, somos chamados continuamente a externar nosso compromisso com o nosso Salvador, dando graças a Deus pelas infinitas misericórdias e livramentos, por intermédio da oração e louvor. Na Bíblia podemos encontrar 245 passagens que contém a raiz da palavra louvor e suas variações. Destas, 215 referem-se ao louvor da “criatura ao Criador”.  Daí se dizer que só poderemos fazer isto por fé e convicção, já que é uma relação espiritual, pessoal e incondicional.

Presente, passado e futuro devem ser os tempos de conjugação em nossa relação com Ele, conforme os versículos 1 e 2: o presente – “Eu amo”; o passado –  “Ele ouviu” e o futuro – “eu o invocarei”. Este é o tripé que nos colocará em condições de reconhecer que Jesus sempre será especial em nossa vida, ele que passou a ser o nosso sumo sacerdote, com quem nos relacionamos direta e continuamente. E por que ele é tão especial? Porque ele ainda responde nossas orações (v. 1 e 2); faz livramentos memoráveis (v.3); preserva-nos de forma extraordinária (v. 6); promove restauração genuína (v. 7 e 8) e nos fez herdeiros e coerdeiros da promessa, servos e eleitos do Pai (v. 16).

Relacione, hoje mesmo, uma lista de benefícios que o Senhor lhe fez, nas mais diversas áreas de sua vida e, em momento adequado, se coloque diante dele, louvando-o pelos seus feitos. Em outra lista, relacione os pedidos que ele ainda não atendeu e, com fé, peça para que ele, segundo sua infinita misericórdia, conceda “o desejo do seu coração”. Como não louvá-lo?

Por: Pr. Amadilson de Paula – Diretor do Demap Geral, Tesoureiro da Junta de Missões e Pastor auxiliar na IAP Vila Maria, SP