As folhas de figueiras, a justiça e a graça de Deus

A SEMENTE: Abriram-se, então, os olhos de ambos; e, percebendo que estavam nus, coseram folhas de figueira e fizeram cintas para si.

CONHECENDO O TERRENO: Após a tensa conversa da Antiga Serpente (Gn 3.1; Ap 12.9) com Eva, e a concretização da desobediência, dela e de Adão comendo da Árvore do conhecimento do bem e do mal (Gn 3:2-6), deu-se início, a uma série de consequências diante de tal ato. Imediatamente, viram-se nus (Gn 2:7). “Nus” em hebraico é ‘arûmmîn, palavra que tem sua raiz na palavra ‘arûm que é traduzida em nossa língua por “sagaz e astuto” , termos que qualificam a  serpente  em Gn 3.1. Então, mais que nus, ele se viram com o comportamento desobediente da serpente.

Por isso, a vergonha de estarem despidos. Após tal constatação,  a saída foi providenciar seu próprio “jeitinho adâmico”, fazendo cintas de “folhas de figueira” (Gn 2.7). Então, depois do tal “jeito”, o Deus que sabe de todas as coisas aparece em cena, para questionar aqueles que haviam perdido a noção que estavam perdidos. As perguntas de Deus foram para mostrar que eles caíram da graça de sua graça (Gn 3:8-9).

A fatídica situação em que estavam teve uma porção de consequências do pecado: 1) medo de Deus (Gn3:10-11); 2) problemas de relacionamentos (vv.12-14; 16b); 3) modificações físicas (v.16a); 4) dificuldade no trabalho (vv.17-18) e 5) a morte física (v.19). Por último, Deus os expulsa do jardim, como a consequência de terem desobedecido Sua Palavra (Gn 3.22). Antes, tinham acesso a Árvore da Vida, agora, não mais (v.23). Estariam diante de uma vida desgovernada, incerta e sem sentido. Salvo se Deus não fosse gracioso com eles.

 

  1. Com base no estudo das palavras “sagaz e astuto” para a Serpente (Gn 3.1), e nus, para Adão e Eva (Gn 3:7), por que a vergonha era mais que a nudez em si?
  2. Medite nas consequências do pecado de Adão e Eva: Gn3:10-11; 12-14; 16b; 17-18; 19; 3.22-23. Qual a principal conclusão que você chega?

 

CULTIVANDO A VIDA: Diante do “quadro pintado” sombrio, o Deus “golpeado” pelo primeiro casal (representantes da humanidade), já havia na eternidade (At 2.22-23), dado um “golpe” de misericórdia. Para a desobediência  do casal, Ele tinha um Descente da mulher, que pisaria na cabeça da Serpente (Gn 3.15), promessa essa, chamada de Primeiro Evangelho. Até a mulher, ganhou o nome de “Eva”, que significa vida, mostrando que dela viria a esperança de salvação . O jardim da Queda é o jardim da Promessa. Diante da terrível morte, em todos os sentidos, Deus suscita a vida. Não à toa, Jesus Cristo é o Segundo Adão (Rm 5.15-21).

Já para a tentativa de cobrir nossa nudez com as folhas de figueira, (como fazer uma roupa de plástico), Deus tinha a pele de um animal, para vesti-los, cenas que prefiguravam a vinda do Cordeiro, Jesus, “morto” desde a fundação do mundo (1Pd 1:19-20; Ap 13.8). Apesar de toda ação amorosa de Deus, isso não excluiu sua justa ação de expulsar o casal do jardim. As consequências vieram. Não nos enganemos. Deus é gracioso, entretanto, não tira as consequências de nossos erros. Isso mostra sua coerência. Porém, podemos ver que mesmo assim, quando nos voltamos a Ele, podemos ter sua graça e salvação, como mostrou para com o casal. E mesmo nas tragédias, causadas até por nós, podemos contar com sua justiça generosa.

  1. Diante de tantas consequências do pecado de Adão e Eva, reflita sobre as ações graciosas do Senhor.
  2. Como você vê “a justiça e o amor” de Deus? Por que é importante crer nessas duas qualidades do Senhor?

Por: Miss. Andrei Sampaio