Sempre é tempo de subirmos o nosso Moriá

Se você fosse convidada a fazer uma trilha para subir o monte com a promessa de ver a paisagem mais linda de sua vida, você aceitaria? Qual motivação te levaria sair do sedentarismo e da zona de conforto e te faria assumir esse desafio e mudar sua atitude? Talvez você não aceitasse de imediato, pois precisaria se preparar fisicamente e preparar todos os itens que deveriam conter em sua bagagem que, por sinal, não poderia ser muito pesada. Mas a chance de subir ao monte e ser agraciada pela beleza da vista seria a retribuição mais esperada em cumprir o desafio; creio que não aceitaria fazer todo o esforço para não receber nada em troca, não é?

Para quem não se recorda, foi num monte que aconteceu uma das histórias mais fascinantes da Bíblia Sagrada, e não foi por belas paisagens, mas pelo sacrifício de Abraão (Gn 22.1-14). Este foi o lugar escolhido para preparar o altar onde Isaque, o filho da promessa seria sacrificado, a pedido do Senhor. Mas, pode surgir uma pergunta em nossa mente: Porque Abraão aceitou o desafio de sacrificar seu filho?

Abraão havia sido chamado por Deus e obedeceu, sem reservas (saiu do meio os seus familiares, saiu de seu país e foi para um lugar desconhecido – Gn 12:1-4). Abraão foi obediente (Gn 22: 3-5).

Voltando ao texto bíblico, vemos que Abraão acordou de madrugada (v. 3-5), isto mostra que ele preparou minuciosamente todas as coisas. Levou lenha cortada – não que no monte Moriá não tivesse – mas, para que chegando lá, nada o distraísse e o sacrifício fosse oferecido prontamente. Abraão afirmou “Nós voltaremos”. Ele confiava que Deus entraria em ação no tempo certo, pois, até então, Deus nunca o havia abandonado.

Abraão foi submisso e no momento exato exercitou a fé (Gn 22: 8-10). Imagine a situação: chegar ao local, amarrar e colocar Isaque sobre o altar, pegar o punhal e no momento que falta um golpe para tirar-lhe a vida, o Senhor envia um anjo que o impede. O Senhor viu a fidelidade de Abraão; sabia que ele não Lhe negaria nada, nem seu próprio filho; então, proveu um cordeiro para que fosse sacrificado no lugar de Isaque.

E nós, teríamos subido o monte Moriá se soubéssemos que lá deveríamos sacrificar o que mais amamos? Que no lugar de recompensa haveria sacrifício?

Assim como Abraão, Deus também nos chama para subir o monte. Sempre é tempo de subirmos ao monte Moriá, mas a subida será mais fácil se termos intimidade com o Criador (Jm 29:13); quando nos santificarmos com jejum e oração (Ts 5:17); quando crermos naquilo que não é possível ver (Hb 11:1); quando confiarmos na soberania do Senhor (I Tm 6:15-16) e quando confiarmos na provisão de Deus (Mt 6:30-33).

É certo! A caminhada não será fácil, mas quando temos a certeza que Deus está no controle entendemos que “aquele que começou a boa obra em nós, vai completa-la até o dia de Jesus Cristo” (Fp 1:6).

Não tenha medo de subir ao monte Moriá e apresentar-se ao Senhor como sacrifício vivo, santo e agradável a Ele!

Por: Larissa Santiago casada com Renan Lopes, é bacharel em farmácia e teologia, congrega na Igreja Adventista da Promessa em Urânia.