Qual é o seu valor maior?

Em maio deste ano, uma notícia ganhou destaque gerando uma série de questionamentos, indignações, admirações e, como estamos no Brasil, até piadas. Falo sobre a decisão da atriz Angelina Jolie em submeter-se a uma dupla mastectomia preventiva.

Mas, o que levaria alguém a tomar uma decisão tão radical? Ainda mais sendo ela uma pessoa de tão grande expressão no quesito beleza e corpo perfeito?
Lendo a reportagem, fica muito claro. Sua avó materna e sua mãe morreram vítimas de câncer de mama e Angelina Jolie descobriu que tem as mesmas células defeituosas que sua mãe e avó tinham, que dão origem ao câncer. Então, como diz o ditado: “Antes que o mal cresça, corta-se a cabeça”, ela fez a mastectomia dupla, diminuindo em 95% a chance de desenvolver o tal câncer. Bem radical, não é?
Muitos questionaram se ela continuaria a ser vista como a mulher bela e perfeita, mas esta não foi em nenhum momento a preocupação de Angelina Jolie. Questionada sobre isso, ela apenas afirma que valoriza mais a vida e o convívio com seu marido e seus seis filhos. Este é, para Angelina Jolie, seu valor maior.

E o que temos a ver com isso?

Quando li esta reportagem, não tive como não relacionar com a realidade que todos nós, seres humanos, enfrentamos em nosso corpo desde que nascemos. Minha pergunta é: qual é o nosso valor maior?
Todos nós, desde a queda de Adão e Eva, trazemos dentro de nós células defeituosas do pecado que podem nos levar a perder a vida eterna, podem nos matar eternamente. E o que fazemos com esta informação? Brincamos!

Em Mateus 18:9, temos a seguinte afirmação: “E, se o teu olho te escandalizar, arranca-o, e atira-o para longe de ti; melhor te é entrar na vida com um só olho, do que, tendo dois olhos, seres lançado no fogo do inferno.”

Embora recebamos este conselho ou mesmo ordem de Deus, para tomarmos esta atitude tão radical como a mastectomia, o que temos feito é brincar e abusar daquilo que pode nos matar não só neste tempo, mas eternamente.

Temos consciência de que somos pecadores, embora nem sempre admitamos, contudo, ainda julgamos que temos o controle da situação na mão e vamos chegando cada vez mais perto do pecado, achando que poderemos dar conta de sair correndo na hora “H”, mas o que temos visto são inúmeras pessoas caídas, derrotadas, acabadas, mortas espiritualmente. E por que isso acontece conosco? Simplesmente porque não queremos perder mãos, pés, olhos etc, e acabamos vencidos pela tentação, pelo pecado, pela morte.

Para que nos servirá nossa mão, pé e olho se já não temos vida? Qual é o nosso maior valor?

Deus nos dá a receita: precisamos ter coragem de tomar esta decisão e eliminar de nossa vida e mente tudo aquilo que nos enfraquece e que pode fazer com que o pecado se instale em nós e nos contamine até a morte.

Angelina Jolie se expôs, mostrou seu drama, sua realidade. Assim precisamos fazer em nossas vidas. Precisamos reconhecer que somos fracos, defeituosos, totalmente dependentes de Deus e seu poder, sem nos preocupar se seremos julgados pelas pessoas, o que importa é vencer a luta contra o pecado, contra a morte com toda a transparência, sinceridade e autenticidade e viver, não apenas aqui neste tempo, mas viver por toda a vida eterna ao lado do Pai.

Que Deus ajude a cada um de nós a tomarmos decisões corajosas em direção à vida, por mais sofridas, doloridas ou vexatórias que elas sejam, mas que nos levem à verdadeira vida, a vida eterna. Amém!

Dsa. Maria Regina Guimarães Longo Mendes congrega na IAP em Pq. Itália (Campinas, SP) e integra a equipe do Departamento Ministerial – Convenção Paulista e Geral.

Fonte: Portal IAP