Perdão, refeição diária!

“O que encobre a transgressão busca a amizade, mas o que renova a questão separa os maiores amigos”. Provérbio 17:9 

Vivemos em um mundo em que as relações humanas têm sido cada vez mais descartáveis, conviver em harmonia com o outro tem sido muito difícil, isto pelo simples fato de sermos seres humanos, falhos e diferentes. As pessoas estão se distanciando cada vez mais, relacionamentos terminam por coisas simples e banais, porque é sempre mais fácil jogar fora o que se quebrou, do que tentar consertar, temos o hábito de substituir as coisas assim que apresentam o primeiro defeito.

Estamos saindo de um período festivo em que acontecem várias “reuniões de final de ano”. E quase sempre acontece aquela confraternização, seja na empresa que você trabalha, seja entre família e amigos, ou até mesmo na igreja que você congrega.

É tão gostoso aproveitar esses momentos para estarmos com pessoas que amamos, para reencontrar familiares e amigos, estreitar laços, matar a saudade, partilhar sorrisos e abraços, relembrar histórias e comer juntos.

Mas nem tudo é como em contos de fadas, é fácil partilhar desses momentos com quem amamos, porém nem sempre estamos bem com todos que estão sentados à mesa. E o desafio maior esta aí, ter que dividir a mesa com quem nos magoou ou quem nós magoamos. Talvez você já o tenha feito, por educação, ou até mesmo para não quebrar o clima de confraternização. Mas já pensou em aproveitar algumas dessas ocasiões que irão se repetir, para zerar a dívida?

Que tal durante esse ano você reatar amizade com alguém que se afastou de você? Coloque um prato a mais em sua mesa, e receba de volta quem um dia fez parte da sua vida.

Calma!! Talvez não seja tão simples, mas existe algo que pode te ajudar. Algo nobre, que cura relações e restabelece laços. Algo que faz com que as confraternizações entre amigos e familiares durem o ano todo. Refiro-me ao antídoto chamado PERDÃO, esse remédio divino que nos foi ofertado por JESUS, e que deve ser compartilhado como uma bela refeição diária.

Sem dúvidas, as refeições seriam mais saborosas com o tempero chamado perdão, com uma bela dose de misericórdia, e com muito exagero de amor.

O perdão marca os encontros, faz com que momentos em família sejam prazerosos, e faz a comunhão da igreja ser saborosa e frutífera.

O perdão não depende de emoção, nem do pensamento, nem de vontade, apenas. O perdão é um exercício de fé. Perdoar é provar uma refeição que não gostamos tanto assim, é escolher algo que vai contra nossa natureza terrena, é seguir a vontade de Deus.

Experimente desse prato chamado perdão. O primeiro passo é reconhecer a dívida. Admitir que a última refeição não foi tão legal, e que você ainda precisa fazer a digestão.

Lembre-se, o fato de não admitir a mágoa não significa que ela não exista. Ela pode existir e estar tirando sua fome, “infeccionado sua vida”.

Não temos o direito de desejar a vingança. Não somos justos para querer justiça.

Tome a decisão de perdoar. Abandone todo desejo de justiça própria. Resolva não se alimentar da ofensa e nem a ofereça aos outros. Sendo assim, aproveite todas as oportunidades que Deus lhe proporcionar e zere dívidas. Esteja sempre em comunhão com sua família, amigos e igreja. Compartilhe mais refeições, puxe a cadeira e sinta-se à vontade à mesa.

Desfrute da alegria que é partilhar o perdão. Use-o sempre que necessário, sem restrições. Saboreie bem o perdão e compartilhe com todos aquilo que já lhe foi ofertado gratuitamente por Jesus Cristo.

“Antes, sede uns para com os outros benignos, misericordiosos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo”. Efésios 4:32

Por: Paula Ferreira congrega na Igreja Adventista da Promessa em Paranavaí/PR