Leia mais: Não sofra de amnésia!

A Ceia do Senhor nos faz lembrar da cruz de Cristo e do que recebemos por meio dela!

Você já ouviu falar de amnésia espiritual? É um mal do qual todos nós, seres humanos, desde a “queda”, padecemos, e que nos faz esquecer o que está relacionado a Deus. Vez ou outra nos esquecemos de orar, de ler a Bíblia, de agradecer, de confiar no Senhor, e assim por diante. Não é à toa que a Bíblia repete em suas páginas a expressão “lembra-te”: “Lembra-te dos dias da antiguidade”…,” Lembra-te do teu Criador…”,”Lembra-te de onde caístes…”.

É isso mesmo. Sofremos de amnésia espiritual e se não nos tratarmos, ela pode evoluir e fazer esquecer-nos da graça, da cruz e do Salvador. É por isso que Paulo escreve: “Lembra-te de Jesus Cristo… “(2Tm 2.8). Esquecer o Cristo é o estágio mais grave da doença. Ainda bem que a Bíblia oferece o tratamento que nos possibilita o controle total da enfermidade. Contudo, a cura plena só será possível quando Jesus voltar.

Sabe-se que, em meio ao receituário bíblico, a Ceia do Senhor é uma das principais terapias contra a amnésia espiritual. Ela foi realizada pela primeira vez por Cristo Jesus, na noite angustiante que antecedeu a sua crucificação. Ele sabia que, em seguida, seria preso, fustigado e morto, como oferta a Deus para perdão dos pecados. Cumpriria, assim, sua obra na terra e entregaria o maior presente de Deus aos homens: a salvação. Por isso, instituiu a Ceia como um “memorial” para nunca nos esquecermos do que foi feito por nós. Esta celebração é composta por dois elementos extremamente simples, mas profundamente significativos: o pão e o vinho. São itens simbólicos que foram explicados pelo Mestre. Ele tomou o pão e, depois de ter dado graça, partiu e deu aos discípulos dizendo: “Isto é o meu corpo oferecido por vós”(Lc 22.19). Em seguida, fez o mesmo com o cálice e disse: “Este é o cálice da nova aliança no meu sangue derramado em favor de vós” (Lc 22.20). Assim, o pão representa o corpo dele que foi partido, e o vinho relembra o sangue dele, que foi derramado para a nossa salvação.

Nas passagens que falam da Ceia do Senhor você pode encontrar, em destaque, dois propósitos para participar dela. O primeiro é a recordação. O próprio Cristo diz: “façam isso em memória de mim” (1 Co 11.24,25).Celebramos a ceia para lembrar-nos o que o Senhor fez! O segundo propósito é a comunhão (1Co 10.16-17). Ela é muito mais do que uma reunião de crentes, é uma festa espiritual, em que temos comunhão com Deus e com os irmãos. Participar desse ajuntamento é bênção para a vida do crente em Cristo.

Dos dois propósitos citados, o principal é a recordação. O motivo maior que nos leva a esta celebração é o de lembrar. Por três vezes, a Bíblia registra a expressão “em memória de mim” (Lc 22.19; 1 Co 11. 24-25).

Veja que curioso: a expressão “em memória” vem do termo grego anamnesis, que é o contrário de “amnésia”. A mensagem é clara: celebramos a Ceia para não ter amnésia daquilo que Cristo fez por nós. Não podemos esquecer da cruz!

Ao relembrar a morte de Cristo, também celebramos a vitória que recebemos por meio dela. Recordar é, também, renovar, portanto, ao comer e beber, nós temos a oportunidade dada por Jesus, de ver renovadas a nossa fé e nossa esperança nele. É uma ocasião em que é reafirmada a nossa aliança com Cristo. Pela lembrança, somos espiritualmente alimentados.

Já que somos tão esquecidos, antes de participar da Ceia do Senhor, é bom lembrar que a Bíblia nos recomenda o autoexame: “Examine-se, pois, o homem a si mesmo” (1 Co 11.28). O objetivo deste exame não é para que o cristão encontre motivos para se excluir dessa celebração. O exame é para diagnosticar o que foi esquecido e verificar o grau da enfermidade. O participante deve trazer à memória os objetivos da Ceia, para não participar dela de forma indigna, irreverente e sem reflexão. O autor Hernandes Dias Lopes, em seu comentário de 1Coríntios, explica que: “Participar da ceia indignamente é assentar-se à mesa de forma leviana e irrefletida”.

Você precisa esquadrinhar seu coração em um exame minucioso e confessar os pecados a Deus. Precisa também refletir sobre o significado da morte de Cristo e, com essa compreensão,“sentar-se à mesa” e desfrutar dela com reverência e seriedade. E é assim que você vai evitando a amnésia, até que Cristo volte.

Por: Pr. Alan Rocha na edição 65 da revista O Clarim