Exércitos invisíveis

O profeta respondeu: “Não tenha medo. Aqueles que estão conosco são mais numerosos do que eles”. E Eliseu orou: “Senhor, abre os olhos dele para que veja. Então o Senhor abriu os olhos do rapaz, que olhou e viu as colinas cheias de cavalos e carros de fogo ao redor de Eliseu.” 2 Reis 6:14-17

Como é bom dizer que “todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus”, mas como é difícil crer nesta afirmação quando a situação parece desfavorável. Penso eu que esta seja a mais pura forma da fé. Crer que há um propósito divino não apenas naquilo que não se vê, mas também naquilo que teima em parecer ruim aos nossos olhos.

Era isso que temia o servo de Eliseu, o jovem acorda e dá de cara com tropas inimigas, hordas de cavalos e cavaleiros prontos para acabar com o povo. Mas aquilo que os olhos humanos não viam era o mover que acontecia no âmbito espiritual, carros e cavalos de fogo, o exército celestial que se levantara para batalhar a seu favor. Se você conhece um pouquinho do seu Deus já sabe como esta história termina: vitória.

Como é difícil encontrar sentido em meio aos problemas, por nossos próprios olhos é impossível encontrar uma razão cabível para o sofrimento, a morte, a injustiça e a impunidade que presenciamos. Como então lidar com os sentimentos ruins que estamos sujeitos todos os dias, como carregar a esperança junto com o fardo pesado das tribulações? A resposta é simples, olhe para Jesus.

Quer melhor exemplo que Ele? Aquele que viu um dos seus lhe traindo por algumas moedas de prata, nenhum homem por pior que seja vale tão pouco, quanto mais o Filho de Deus, mesmo assim o tratou com dignidade aceitando seu beijo e sua denúncia, tudo isso por que enxergava o propósito divino em tudo aquilo.

As lágrimas e a melancolia do jardim do Getsêmani eram injustas, mas não eram despropositadas, Jesus sofria a dor, mas olhava para o futuro e encontrava a resposta, a dor tinha sentido e o propósito valia a pena. Você pode responder: Ah, mas Jesus era onisciente e podia ver o que se passava nas esferas celestiais, eu não tenho este poder.

Concordo contigo e o convido a orar da mesma forma que Eliseu, pedindo para que Deus abra nossos olhos e possamos ver qual é a real situação daquilo que estamos passando. Esta é uma oração de fé, faça-a crendo que por Ele e por meio Dele todas as coisas foram e ainda serão feitas, que o Senhor não é um Deus que nos deixou à mercê de nossa própria sorte e soltos no mundo, pelo contrário, devemos pedir para que ele nos ajude na nossa falta de fé. Peça como aquele pai do menino possesso clamou a Jesus: “Senhor eu creio em Ti, mas ajuda-me na minha falta de fé.”

A verdadeira fé e confiança não é aquela que nos imune das tribulações e das dores, mas é ela que nos faz entender que realmente tudo coopera para nosso bem e Deus nunca abandona um filho na hora da angústia e dor.

“Deus é o nosso refúgio e a nossa fortaleza, auxílio sempre presente na adversidade. Por isso não temeremos, embora a terra trema e os montes afundem no coração do mar.” Salmos 46:1-2

Por: Ricardo Rodrigues

Fonte: Sou da Promessa