Como eu era antes de você, Jesus!

Não há como negar que Como eu era antes de você causou grande impacto emocional sob as mais de 5 milhões de pessoas que leram os exemplares vendidos em todo o mundo. A história se baseia no relacionamento entre Will Traynor (jovem tetraplégico) e Louisa Clark (sua cuidadora). O ápice da narrativa acontece no fim trágico que a autora Jojo Moyes concedeu ao personagem Will deixando o coração dos leitores entristecidos, porém esperançosos pelas possíveis conquistas de Lou a partir desse acontecimento.

O fato é que Como eu era antes de você não é somente um filme de ficção, mas uma representação da mudança de atitude a partir do relacionamento de uma pessoa “amarga” com uma pessoa cheia de sentimentos bons a serem transmitidos.

O advérbio antes presente no título sugere um marco no tempo, supostamente dividido pela presença ou ausência de certa pessoa. Na realidade, por volta dos anos 600 d.C se cogitou considerar a data do nascimento de Cristo como o ano zero, assim surgiu os períodos a.C (antes de Cristo) e d.C (depois de Cristo).

O testemunho de Paulo descrito em Filipenses no capítulo 3, do versículo 4 ao 6, relata seu cotidiano antes da presença de Jesus em sua vida. A Bíblia Viva descreve:

“Ainda mais, se alguém alguma vez teve motivos para esperar que poderia salvar-se a si mesmo, esse alguém seria eu. Se outros pudessem ser salvos por aquilo que são, logicamente eu poderia! Porque eu passei pela cerimônia de iniciação judaica quando tinha oito dias de idade, tendo nascido num lar de sangue puramente judaico que era uma ramificação da velha família genuína de Benjamim. Portanto, eu era um verdadeiro judeu, se jamais existiu algum! Além do mais, era membro da seita dos fariseus, que exigiam a mais estrita obediência a todas as leis e costumes judaicos. Era sincero? Sim, e tanto que persegui grandemente a igreja; e procurava obedecer minuciosamente até o extremo a cada preceito e regulamento judaico.”

Esta é considerada a primeira fase da vida de Paulo; a vida antes de Jesus, destacado por possuir um entusiasmo por cuidar da lei ao ponto de ser um perseguidor dela com perfeição. Para os que feriam a lei, Paulo (antes, Saulo) os feria sem compaixão. Seu alvo era prática com excelência e não media esforços para tal.

O homem que se dizia “nascido na igreja”, da “linhagem escolhida”, era um perseguidor da noiva de Cristo. A característica dessa perseguição era a caça. Paulo se apresentava como um caçador dos que desobedeciam a palavra de Deus.

Paulo, antes de Jesus, era um perdido, um indivíduo que acreditava estar no centro de Sua vontade, porém suas ações revelavam um cristão totalmente desnorteado dentro do templo.

Quantos de nós, nascemos em berço cristão e vivemos acreditando estar fazendo o correto na presença do Senhor, mas não passamos de perseguidores da verdade divina revelada por meio de Cristo.

Jesus morreu para que nós tivéssemos vida, e vida em abundância (Jo 10.10). Ele se deu por nós, tirou a amargura que rodeava os nossos relacionamentos e nos deu a paz.

O berço cristão não é sinônimo de vida com Cristo. Há um momento em que a decisão de segui-lo precisa ser feita com base em seu relacionamento com Ele e não imposição. Aceite o sacrifício de Jesus e faça valer a pena. Ele precisa marcar o nosso tempo, nossas atitudes e nossa vida. O nosso testemunho deve ser norteado no “depois de Jesus”. Que tudo seja para a glória de Seu nome, eternamente!

 

Por: Larissa Santiago

Referências bibliográficas:

CPCEC. Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Educação Continuada. A contagem dos anos na Era Cristã. Disponível em: < http://gerenciamentodotempo.com.br/a-contagem-dos-anos-na-era-crista/>. Acesso em: 16 dez. 2016.

JOJO MOYES. Depois de você. Disponível em: <http://www.intrinseca.com.br/jojomoyes/depoisdevoce/>Acesso em: 16 dez. 2016.

Nenhum comentário

Comentários estão desativados