Bendita entre as mulheres

Mas o anjo lhe disse: Não tenha medo Maria; você foi agraciada por Deus! (Lc 1:30)

Deus escolheu Maria, uma mulher cheia de graça, para ser mãe do redentor e salvador Jesus Cristo, o Messias prometido. Como disse o anjo que trouxe as boas novas, ela foi agraciada com a bênção de Deus. Maria ficou muito feliz com a notícia por ter sido escolhida, por ser bendita entre as mulheres. Virgem, desposada com José, antes de se ajuntarem (Mt 1:18), ouve do anjo: Descerá sobre ti o Espírito Santo e a virtude do Altíssimo te cobrirá com a sua sombra; porque também o Santo que de ti há de nascer será chamado Filho de Deus (Lc 1:35). Maria, com prontidão e submissão, diz: Eis aqui a serva do Senhor, cumpra-se em mim segundo a tua palavra (Lc 1:38). Aceitou alegremente a honra e, ao mesmo tempo, o sofrimento resultante de ser a mãe de Jesus Cristo.

Foi visitar Isabel que estava grávida; ao ouvir a voz de Maria, a criança salta no ventre (Lc 1:39-45). Maria, emocionada, expressa sua felicidade e gratidão a Deus com um cântico: A minha alma engrandece ao Senhor e o meu espírito se alegra em Deus meu Salvador; porque atentou na baixeza de sua serva; pois eis que desde agora todas as gerações me chamarão bem-aventurada. (Lc 1:46-48). Foi a Belém com José para alistar-se (Lc 2:1-7) e ali deu à luz o seu filho, numa manjedoura; o nascimento do Salvador, o maior evento de toda a história, ocorreu em circunstâncias humildes. Maria e José o levaram para ser apresentado ao Senhor no Templo em Jerusalém por Simeão (Lc 2:21-24). Doze anos depois, ansiosa, procura Jesus e o encontra no Templo conversando com os mestres (Lc 2:46). Maria estava no casamento em Caná quando aconteceu o primeiro milagre de Jesus, transformando a água em vinho. Sábia, disse aos empregados: “Fazei tudo quanto ele vos disser” (Jo 2:1-10). Estava ao pé da cruz (Jo 19:25-27), quando Jesus na agonia da morte se preocupou com o bem estar de sua mãe e entregou a João o cuidado com ela. Participava das orações com os discípulos no Cenáculo após a ascensão de Jesus (At 1:14).

Maria, mulher cheia de graça, humilde, agradecida, sábia, submissa, com prontidão e alegria aceitou a obra que Deus confiou a ela.

Meire Barbosa Corrêa