Atos de bondade

“Mas o Espírito de Deus produz… a bondade… Que o Espírito de Deus, que nos deu a vida, controle também a nossa vida! Que cada pessoa examine o seu próprio modo de agir!” (Gl 5: 22, 25; 6.4a) “Façam o que eu falo, não façam o que eu faço.” Muitas de nós já citaram essa frase, atribuindo críticas a alguém.

E se pararmos para pensar quantas vezes alguém a citou ao comentar uma ação nossa, qual seria o resultado? Mais: ensinamos nossas crianças que devem ser boas, não só no que fizerem, mas na índole. Mas, qual é o espelho em que elas têm olhado? Quais exemplos elas têm tido para refletir?

Como nossas crianças nos definiriam? Somos o que temos ensinado, pregado, cobrado, exigido?

Nosso estilo de vida tem refletido o caráter de Cristo, como aconselhado em Gálatas 5:22-25, quando nos são apresentados os comportamentos gerados por uma vida dirigida pelo Espírito Santo, que busca andar em comunhão com Deus?

Que tal tratarmos dos nossos atos de bondade?

O que entendemos por sermos pessoas boas? A bondade gerada no fruto do Espírito remete a um “zelo pela verdade e pela retidão e repulsa do mal, pode ser expressa em atos de bondade [Lc 7:37-50] ou na repreensão e na correção do mal [Mt 21:12-13]”.

Não nos deixemos enganar: ser boa não é ser boba. Não é relevar tudo e sorrir como se nada tivesse ocorrido. É cuidar para que a verdade e a retidão prevaleçam, para que as atitudes erradas sejam corrigidas, para que o mal seja repudiado, repreendido, conforme fez Jesus ao expulsar os comerciantes do templo. Não é o que costumamos chamar de ato de bondade, mas é um dos exemplos e ensinamentos bíblicos.

Perguntei ao meu sobrinho, de oito anos, o que é bondade para ele: “É não fazer o mal a ninguém; é ajudar os amigos e ajudar a si próprio; é ter bom coração, ser do bem – ajudar as pessoas em dificuldades”. Fiquei feliz com o entendimento dele sobre ser bom, ainda mais quando comparei com a definição do Dicionário Aurélio: ser bondosa é ser benevolente, ter boa vontade para com alguém, praticar boas ações, agir com brandura.

Reação diante da travessura

Essa bondade não é demonstrada apenas quando você atende aos necessitados que batem à sua porta ou que são buscados pela igreja, mas quando você também olha com amor aos que estão dentro de sua casa.

Qual a sua reação quando seu filho “apronta” uma travessura? Grita com ele  descontroladamente ou o repreende e mostra que você estará sempre por perto para ajudá-lo a ser cada vez melhor?

Com que frequência você prepara os pratos preferidos do seu esposo, dos seus pais, dos seus filhos? Um alento, um carinho, de várias formas, também é um gesto de bondade.

E como estão o seu guarda-roupa e a sua sapateira? Entulhados, sem que caiba mais nada, ou com certa frequência você os organiza, separa as peças que não usa mais e de boa vontade as oferece a quem delas precisa?

Não são nossas boas ações que nos trarão salvação, mas elas também refletem a mudança que a salvação em Cristo e a orientação e comunhão com o Espírito Santo provocam em nós.

“Eu sou a videira; vocês são os ramos. Se alguém permanecer em mim e eu nele, esse dará muito fruto; pois sem mim vocês não podem fazer coisa alguma. … Meu Pai é glorificado pelo fato de vocês darem muito fruto; e assim serão meus discípulos.

… Tenho lhes dito estas palavras para que a minha alegria esteja em vocês e a alegria de vocês seja completa” (Jo 15: 5, 8, 11).

Quando buscamos viver conforme a vontade do Pai, o fruto do Espírito achará lugar para se desenvolver em nós. Daremos frutos que glorificarão a Ele e viveremos com a felicidade que só podemos ter em Jesus, aquela independente da circunstância.

Afinal, como discípulos de Cristo, através também dos nossos atos de bondade, exalaremos em todo lugar o bom perfume de Cristo, que é fragrância de vida para salvação de muitos (II Co 2:14-16)!

Por: Maísa Neves na edição 60 de O Clarim – págs 52 e 53