Socorro, tem um bebê na minha barriga?

Vi a segunda linha no teste de farmácia surgir no dia 25 de junho de 2012, e fiz o exame de sangue no dia 26 de Junho de 2012 confirmando que eu estava grávida. Minha reação? Muito choro de tristeza. Sim, isso mesmo, um choro de desespero, de incerteza, de surpresa e de negação. Meu esposo segurou minha mão e me abraçou por muito tempo me dizendo que tudo ia ficar bem.

Naquele dia, estávamos completando 1 ano de casados, nossos planos eram outros, houve uma reviravolta dentro da minha cabeça, por que isso atrapalharia tudo. Queria arrumar um emprego, queria estabilidade financeira, queria muitas coisas, muitas, menos um filho.

Eu tinha planos, e eles foram frustrados! Como eu estava frustrada! Mas, meu esposo sempre muito paciente comigo, além de me ouvir, orava comigo e sempre se mostrou feliz, disposto e muito confiante de que não importava o que nós queríamos, o momento que estávamos vivendo seria benção para nós. A frase jargão dele sempre foi: “Filho é benção de Deus!”, portanto, eu tinha de aceitar à vontade d’Ele, por que era boa perfeita e agradável. Quando passei a aceitar? Quando no dia do primeiro ultrassom eu ouvi aquele batimento acelerado e vi um bebê já todo formado com bracinhos e pezinhos que não paravam quietos. Eu já estava completando 3 meses de gestação. Naquele momento, senti que Jesus estava lá me mostrando que aquele ser tão pequeno e frágil precisava de mim, eu realmente senti a presença de Jesus comigo naquele ultrassom.

Enfim, uma gravidez não planejada, é demasiadamente difícil, mas eu sou a prova viva de que Deus não nos desampara, e cuida de nós de uma maneira especial, quando nos entregamos à Ele por completo. Nunca, em nenhum momento, tanto o da gravidez, quanto na hora do parto, Ele se descuidou de mim ou do Estevão (nosso primeiro filho).

Durante toda a gravidez, me esforcei ao máximo para louvar e agradecer todos os dias (após a aceitação), meu marido cantava e tocava músicas ao violão, e conversávamos muito com o bebê. Não desisti de me reunir à igreja e sempre conversava sobre minhas angustias com meu marido e com o Senhor Jesus Cristo. Embora algo em mim lutava contra tudo o que eu fazia, sei que o Espirito Santo estava comigo e não me deixava desistir.

Esta é uma pequena parte da minha história, e a sua? Já a contou para Cristo? Já se abriu com alguém? Com uma amiga, ou com o pai do seu bebê? O pai do seu bebê aceita esta gravidez? E você, aceita estar grávida? Aceita o fato de Deus lhe permitir carregar uma vida, apesar de pequeno, um coração que já bate lhe amando?

Não tenha dúvida de que: “Os filhos são herança do Senhor, uma recompensa que Ele dá…” (Salmos 127:3).

Recompensa do quê? Eu não sei, pois como pecadores não merecemos nada. Mas hoje sou extremante grata, por ter, não somente um, mas dois filhos lindos. Não é fácil, nunca foi e nunca será, mas os planos que eu havia feito, não fazem mais sentido, por que compreendo que, somente Cristo, e os planos d’Ele é que dão real sentido a minha vida.

Minha oração é que você, mesmo com todas as dificuldades que enfrenta, consiga, assim como eu, com a ajuda de Deus, olhar para cima e obter esperança e convicção de que a nossa força vem do Deus Todo Poderoso, Criador de tudo o que existe! E que você possa sentir o Espírito Santo com você todos os dias da sua gestação. Lembre-se: seu bebezinho já te ama mais do que tudo!

Por: Karina Martins Lima de Almeida é Tecnóloga Empresarial, graduanda em Psicologia. Casada com Pastor Mateus Silva de Almeida, mãe de Estevão há 5 anos e Jessé Augusto há 1 ano. Congrega nas Igrejas Adventistas da Promessa em Itatiba e Bragança Paulista.