Será que Mateus 6:33 virou clichê?

Busquem, pois, em primeiro lugar o Reino de Deus e a sua justiça, e todas essas coisas serão acrescentadas a vocês. Mateus 6:33

Certamente você já ouviu várias vezes este versículo, e até o repetiu para outras pessoas, com o objetivo de fortalecer a fé e a confiança de alguém.

Quando nos vemos em alguma situação que foge ao nosso controle, quando há dúvida sobre qual lado seguir, lembramo-nos do versículo e o repetimos, para que nosso cérebro grave a mensagem, gerando uma sensação de calma e confiança.

Mas… e quando você realmente precisa viver 100% na dependência de Deus? Como agir quando o que era palpável​ já não é mais? O que era certo vira incerto, até chegar ao ponto do “não existe mais”? Quando o previsível e o provável cedem lugar ao impossível?

Pois é… É nessa hora que ler ou escutar o versículo já não resolve… Precisamos de algo mais! Precisamos viver pela fé! Depositar cada instante de nossas vidas nas mãos de Deus, vivendo em total dependência dele em todas as situações!

Buscar primeiro o reino dos céus nos traz a certeza que todas as outras coisas nos serão acrescentadas, nos faz ver que Deus está no controle, a vitória é certa, pois Ele cuida de nós!

Passamos a entender que não há momentos ruins em nossas vidas, há momentos que Ele nos coloca à prova para ver se realmente estamos descansando em seus braços, dormindo em paz. Conhecer a Deus não apenas de ouvir falar, mas viver com Ele (Meus ouvidos já tinham ouvido a respeito, mas agora os meus olhos te viram. Jó 42:5).

Surgir flashes de preocupação é normal, somos humanos, mas não podemos deixar que esses flashes atrapalhem nossa certeza que Ele continua no controle, mesmo que aos nossos olhos pareça estar dando tudo errado. Isso é o aprendizado com o Pai, confie! Ele completará o incompleto e você passará com nota dez, dormindo em paz e sem se desesperar.

Basta vivermos com Ele e para Ele, pois todo o resto, na hora certa, chegará!

Dsa. Carla Matielli de Albuquerque dos Santos, Secretária da Resofap Rio de Janeiro.

Nenhum comentário

Comentários estão desativados