Leia Mais: Cuide da saúde dele

Todos sabem que, para viver mais e com qualidade, é necessário cuidar da saúde. Porém, algumas pesquisas mostram que os homens se preocupam menos com sua saúde do que as mulheres e têm resistência a procurar o serviço médico. Análises realizadas pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) mostram que a cada três mortes de pessoas adultas no país, duas são do sexo masculino. O ex-ministro da Saúde, José Gomes Temporão, afirmou: “Essa política parte da constatação de que os homens, por uma série de questões culturais e educacionais, só procuram o serviço de saúde quando perdem sua capacidade de trabalho”. Por essa razão, foi desenvolvida pelo Governo Federal, em agosto de 2009, a Política Nacional de Atenção à Saúde do Homem, que tem por finalidade aproximar a população masculina dos serviços de saúde.

Algumas doenças, se diagnosticadas a tempo, poderiam perfeitamente ser controladas, tratadas e, muitas vezes, curadas, deixando de estar entre as causas de elevada mortalidade do sexo masculino. Entre essas doenças encontramos o colesterol alto, diabetes mellitus, hipertensão arterial e o câncer de próstata (o segundo entre os homens, atrás apenas do câncer de pele).

Tendo em vista que buscar informação é o primeiro passo para quem quer cuidar de si e das pessoas que ama e sabendo das dúvidas que o câncer de próstata gera, vamos focalizar esse importante assunto.

Próstata é uma glândula em forma de maçã que só o homem possui e que se localiza logo abaixo da bexiga e à frente do reto. Por dentro dela, passa a uretra (tubo pelo qual a urina armazenada pela bexiga é eliminada). Sua função é produzir uma secreção que protege os espermatozóides e constitui 30% do líquido seminal, liberado durante o ato sexual.

Dois processos distintos podem acometer essa glândula. O primeiro é o crescimento benigno, chamado hiperplasia, que acomete quase 90% dos homens após os 40 anos e que produz dificuldade para a eliminação da urina. O segundo é o câncer de próstata, que surge associado ou não ao crescimento benigno e que se manifesta quase sempre depois que os homens completam 50 anos.

Além da idade, outro fator de risco comprovado é a história familiar. Os riscos aumentam em 2.2 vezes quando um parente de 1º grau (pai ou irmão) é acometido pelo problema.

Ingestão de tomate

Por outro lado, uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais e com menos gordura, principalmente de origem animal, ajuda a diminuir o risco de câncer, como também de outras doenças crônicas não transmissíveis. A ingestão abundante de tomate e seus derivados parece diminuir em 35% os riscos de câncer da próstata, segundo estudo realizado pela Universidade de Harvard.

Em sua fase inicial, o câncer da próstata tem evolução silenciosa. Muitos pacientes não apresentam nenhum sintoma ou, quando apresentam, são semelhantes aos do crescimento benigno da próstata (dificuldade de urinar, necessidade de urinar mais vezes durante o dia ou à noite).

Por isso, a necessidade do diagnóstico antes dos sintomas aparecerem. O Ministério da Saúde, em texto vinculado pela internet, preconiza que todos os homens brasileiros, mesmo sem sintomas, entre 45 e 75 anos, submetam-se a exames de prevenção e diagnóstico precoce de câncer de próstata com urologistas. Essa idade se antecipa para 40 anos em pacientes com história familiar.

Definiu-se que a melhor forma de diagnosticar o câncer da próstata é representada pela combinação de toque digital retal e dosagem do PSA no sangue. Apenas a dosagem de PSA falha em 20% dos diagnósticos1.

Estudos sobre crescimento tumoral indicam que as formas agressivas do câncer da próstata, quando não tratadas, levam entre dois e oito anos para se ramificar pelo organismo, tornando a doença de difícil controle. Dessa forma, um exame preventivo anual sempre identificará o tumor ainda dentro da próstata e potencialmente curável.

Quando diagnosticado, o tratamento é individualizado, visando não só ao controle oncológico como também à manutenção da qualidade de vida, levando-se em conta a idade e o momento em que foi diagnosticado o câncer. Quanto antes descoberto, melhor o prognóstico.

Observamos que os homens deixam de procurar o urologista e fazer o toque retal por medo e preconceito, colocando sua vida em risco, visto que na forma inicial da doença não há sintomas.

As piadinhas a respeito do toque retal podem até ser engraçadas, mas não devem impedir ninguém de fazer o exame. Nesse aspecto, as mulheres têm papel relevante na prevenção de doenças dos maridos, pais e amigos. Além de serem mais atentas às questões de saúde, elas têm um jeito próprio de conversar, convencer e demonstrar interesse pela saúde deles. Por isso, leitora, incentive seu marido e seus filhos a procurarem o urologista e cuidarem de sua saúde. Que Deus nos abençoe com muita sabedoria para edificarmos os nossos lares em todos os seus aspectos.

Por: Claudia Falcão na edição 61 da revista O Clarim