Devocionais de Verão 6: Quando o Sol visitou a Terra

Explicar a Encarnação do Senhor, como um fenômeno que modificou todas as coisas, que veio tirar das trevas os que estavam perdidos. 

Texto bíblico: graças à entranhável misericórdia de nosso Deus, pela qual nos visitará o sol nascente das alturas. (Lc 1:78)

Entre nuvens

O texto de Lucas descreve uma visita do Sol Nascente a terra, fruto da intenção profunda do coração de Deus: graças à entranhável misericórdia de nosso Deus, pela qual nos visitará o sol nascente das alturas (Lc 1:78). A fala nasce da canção de Zacarias que, em profunda alegria pelo nascimento de seu filho, João Batista, celebra a vinda do Messias à Terra, precedido pelo último profeta messiânico. O cântico celebra a visitação, aproximação e chegada de Deus à Terra, em Cristo, metaforicamente tratado como sol, que vem com alguns propósitos.

Primeiro, O Sol Nascente vem para “iluminar quem está obscurecido”: para alumiar os que jazem nas trevas e na sombra da morte… (Lc 1:79a). As escrituras apontam que os que não tem fé estão sem luz e sem a capacidade de perceber a presença de Deus, mortos espiritualmente (Ef 2:1-3). Portanto, a fé em Cristo nos leva a sanidade espiritual, de ter a mente iluminada pela graça de Deus, para reconhecer o estado de pecaminosidade, que diante do arrependimento e fé no Senhor, sai das trevas para a luz.

Segundo, o Sol Nascente muda o destino das pessoas. O texto prossegue: e dirigir os nossos pés pelo caminho da paz (Lc 1:79b). Jesus é descrito na Bíblia, além de Sol, como Príncipe da paz (Is 9:6), cuja salvação em seu nome, nos aproxima da pacificação com Deus, pois na morte de Cristo, a sua ira encontrou saciedade, e assim, é desviada do pecador que acredita no Salvador. Além dessa conciliação com o Pai, podemos ser construtores de uma paz com o próximo, que tanto sinaliza a paz do reino, como torna menos violento o mundo que vivemos, até o estabelecimento pleno da paz, no reino de Deus.

Luz na vida

O Sol Nascente, uma figura para Cristo, continua a iluminar as profundezas do ser daquelas pessoas que acreditam em sua obra. Com Jesus, a mente limitada pelo pecado, pelos problemas e a materialidade de nosso sistema mundano e caído, é ampliada e enxerga que a vida é mais que dinheiro, sexo e poder, por exemplo. Não à toa, os cristãos dos séculos seguintes a Igreja Primitiva, “(…) chamavam a Cristo de o verdadeiro Sol, ‘cujos raios dão vida’.”[1]

A fé na Encarnação do Senhor tira as trevas do nosso coração e nos faz, por meio da iluminação que Ele nos dá, viver de maneira diferente. Podemos adorar, louvar, orar, ou seja, ter um relacionamento pacífico com o Pai, que providenciou a salvação. A luz do Sol Nascente, nos faz viver para amar o próximo, perdoar os inimigos, procurar a paz com nossa vizinhança, amigas… enfim, nos proporciona a viver, ainda neste mundo, o tipo de vida que teremos na eternidade. Assim, testemunhamos dessa vida futura que um dia teremos, novo céu e nova terra.

Conclusão

Ore para que o Sol Nascente alcance o coração daquelas e daqueles que ainda estão nas trevas do conhecimento de Deus e de uma vida sem paz.

 

Leituras para lembrar: Lc 1:67-80; Is 9:6; Ef 2:1-3.

[1] Carta Encíclica Lumen Fidei. Paulus e Edições Loyola. São Paulo: 2013, p. 7.

 

Por: Andrei Sampaio Soares