A beleza de se assentar à mesa

Para muitas pessoas comer representa simplesmente encher a barriga ou matar a fome, mas participar de uma refeição pode ser algo bem mais belo do que isso. Em uma refeição podemos partilhar, além da comida, também a comunhão, gratidão, atenção, amor e muitas outras belas coisas.

Os momentos de refeições sempre foram valorizados pelo nosso Deus. Não é à toa que, para que o povo judeu comemorasse a libertação do Egito, Deus instituiu uma refeição cheia de significados, a chamada Páscoa, partilhada por todos os membros da família juntos.

Êxodo 12:46-47 “Vocês a comerão numa só casa; não levem nenhum pedaço de carne para fora da casa, nem quebrem nenhum dos ossos. Toda a comunidade de Israel terá que celebrar a Páscoa.

Na nova aliança, o memorial de Cristo também é celebrado através da refeição, com todos da família de Cristo reunidos, uns esperando pelos outros, nos alimentamos juntos, partindo o pão e bebendo o vinho.

Mateus 26:26-29: Enquanto comiam, Jesus tomou o pão, deu graças, partiu-o, e o deu aos seus discípulos, dizendo: “Tomem e comam; isto é o meu corpo”. Em seguida tomou o cálice, deu graças e o ofereceu aos discípulos, dizendo: “Bebam dele todos vocês. Isto é o meu sangue da aliança, que é derramado em favor de muitos, para perdão de pecados. Eu lhes digo que, de agora em diante, não beberei deste fruto da videira até aquele dia em que beberei o vinho novo com vocês no Reino de meu Pai”.

Esses dias eu parei para apreciar a beleza de se sentar à mesa. Todos nós sentamos, um dos filhos orou agradecendo a comida, nos servimos e logo o meu filho mais velho começou a contar piadas, que de tão sem graças nos faziam rir. O filho mais novo, que é um grude, encostou a cadeira dele na minha e comeu com o braço em cima do meu, e assim que terminou a comida pulou para o meu colo, conversamos um pouco, principalmente sobre a escola, e o pai deu vários conselhos, quando todos terminaram meus filhos foram se arrumar para irem a escola.

Que cena tão bela, agradeci a Deus pela minha família ao mesmo tempo que me lembrei que nem sempre é assim, nem sempre a refeição é regada de atenção, conversas e carinhos porque o hábito de se sentar à mesa para partilhar o alimento, tem um grande inimigo e um grande concorrente.

O grande inimigo é a falta de tempo e o grande concorrente é a tecnologia.

Hoje em dia com a vida corrida que nós adultos levamos, fica difícil pararmos todos no mesmo horário para nos reunirmos à mesa e fazermos uma refeição juntos.

Por causa desse estilo de vida, parar alguns minutos para sentar, comer e conversar parece algo desafiador.

E até mesmo algumas famílias que conseguem isso, correm o risco de não aproveitarem esse momento como um momento agradável, de satisfação, comunhão e amor porque fazemos tudo apressadamente. Nossos filhos são pressionados a agirem da mesma forma, a criança tem quem tomar banho correndo, fazer a tarefa correndo e comer correndo.

Toda essa correria rouba a beleza de dedicarmos atenção uns para os outros.

Além do inimigo da falta de tempo, as famílias também têm que lidar com um grande concorrente que é a tecnologia.

E a tecnologia, nesse caso, basicamente é a televisão, o celular e o tablete.

Quando conseguimos a proeza de nos sentarmos à mesa, a nossa atenção é desviada para outras coisas e cada um acaba participando de uma refeição individual, apesar de estarem todos juntos.

Muitos começam a conversar com as pessoas que estão a quilômetros de distância e não conseguem conversar com quem está na frente, prestam atenção ao que a televisão fala, mas não prestam atenção ao que os filhos tentam falar.

A beleza de se assentar à mesa é justamente buscar um relacionamento familiar e não os próprios interesses.

Que Deus nos ajude a enfrentarmos o inimigo da falta de tempo e a concorrência da tecnologia.

Que sejamos vitoriosos no propósito de Deus de nos reunirmos como família e partilharmos mais do que um alimento.

Mais belo do que o que está sobre a mesa, é a conversa ao redor dela.

Que partilhemos atenção, amor, dedicação e muitas outras belas coisas.

Por mais que pareça difícil, é possível viver essa realidade.

Por: Mônica de Almeida Oliveira casada com o Pr. Alexandre Neri mãe do Murilo e Miguel congrega na Igreja Adventista da Promessa em Fernandópolis/SP